Professores abrem mão de aumento e pedem reestruturação da carreira

Sindicato nacional apresentou contraproposta ao Ministério do Planejamento para retomar as negociações. Categoria aceitou piso proposto de R$ 2 mil

Agência Brasil | - Atualizada às

Agência Brasil

A presidenta do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN), Marinalva de Oliveira, esteve nesta quinta-feira (23) no Ministério do Planejamento para protocolar uma contraproposta dos professores à pasta, apesar de o governo ter encerrado as negociações com a categoria desde o dia 3 de agosto, quando assinou acordo com o Sindicatos de Professores de Instituições Federais de Ensino Superior (Proifes) . O Proifes representa a minoria dos docentes. As entidades de classe da maioria, o Andes-SN e o Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe), rejeitaram a proposta governamental de reajuste de 25% a 45%.

Leia também:  Racha entre professores facilita acordo do governo

De acordo com Marinalva de Oliveira, na contraproposta, os docentes abrem mão de aumento e dão preferência à reestruturação da carreira. O documento pede que, a cada degrau de progressão, os professores tenham ajuste de 4% - anteriormente, o percentual desejado era 5%. Segundo a presidenta do Andes-SN, a categoria também decidiu acatar o piso de início de carreira proposto pelo governo, de R$ 2 mil. "Antes, pleiteávamos R$ 2,5 mil, salário inicial considerado ideal pelo Dieese [Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos]".

Marinalva teve que entregar uma cópia da contraproposta ao setor de protocolo da Secretaria de Relações do Trabalho, já que nenhum representante do Ministério do Planejamento foi designado para recebê-la. Segundo a presidenta do Andes-SN, o mesmo ocorreu no Ministério da Educação. "Não conseguimos ser recebidos pelo ministro [Aloízio Mercadante]", disse.

Segundo a assessoria de comunicação do Planejamento, a negociação com os professores terminou e não será retomada. O secretário de Relações do Trabalho da pasta, Sérgio Mendonça, está reunido com categorias em greve e passará o dia envolvido com negociações. Ele recebeu a Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) – cujos representantes não deram entrevista após o encontro – e agora está reunido com o comando nacional de greve da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

A contraproposta realizada pelo Andes foi criticada pelo Proifes, porque não valoriza a titulação do profissional e pode prejudicar a progressão na carreira. Além disso, custará mais do que a proposta que já foi firmada com o governo e consta no projeto de Lei de Orçamento Anual (LOA), que será encaminhado ao Congresso Nacional.  De acordo com o MEC, a proposta da entidade prevê um investimento superior a R$ 10 bilhões e a do Proifes indica o investimento de R$ 4,2 bilhões até 2015.

Gil Vicente Figueiredo, da diretoria do Proifes, afirmou que os professores doutores no topo da carreira, com dedicação exclusiva, receberiam os menores aumentos. 

Funcionários técnicos-administrativos

Os representantes da Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras (Fasubra) aceitaram a proposta de reajuste de 15,8%, fracionado até 2015, e incentivos à titulação oferecidos pelo Ministério do Planejamento. A expectativa do sindicato é que os 140 mil técnicos-administrativos que estão em greve retornem às atividades na próxima segunda-feira (27).

O governo não cedeu às pressões dos técnicos que exigiam o percentual integral para o próximo ano ou aumento dos salários de 25% dividido em três anos. Segundo a coordenadora-geral da Fasubra, Janine Teixeira, apesar de ter aceito a oferta, a categoria ficou “insatisfeita”.

“Achamos muito pouco em termos de reajuste, mas decidimos aceitar porque tivemos avanços muito grande na carreira. Com a progressão de carreira, o percentual pode chegar até 24%, nos próximos três anos, em alguns casos”, disse.

A assinatura do acordo com o governo, que ratifica o fim das negociações, está previsto para ocorrer amanhã (24). O placar parcial da Fasubra aponta que 36 universidades são a favor da proposta do governo federal e 14 contra . Os representantes do Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe) mantiveram a rejeição à proposta do governo.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG