Sindicato de professores entrega a Dilma pedido de reabertura das negociações

Greve de docentes nas universidades federais completa três meses nesta sexta-feira. Governo fez acordo com apenas uma representação sindical

Agência Brasil |

Agência Brasil

O Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN) protocolou nesta quinta-feira (16) no Palácio do Planalto carta dirigida à presidenta Dilma Rousseff pedindo reabertura imediata das negociações com os docentes em greve. Por meio da assessoria de imprensa, a Secretaria-Geral da Presidência da República confirmou que o documento foi entregue e encaminhado ao gabinete da Presidência da República e aos ministérios da Educação (MEC) e do Planejamento.

Negociação com técnicos: Governo e servidores de universidades mantêm impasse

No dia 3, o Ministério do Planejamento assinou termo de acordo com a Federação de Sindicatos de Professores de Instituições Federais de Ensino Superior (Proifes) , sindicato que representa uma minoria dos professores. Outras três entidades ( Andes-SN , Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica e Confederação Nacional dos Trabalhadores no Serviço Público Federal), que representam os docentes, recusaram a proposta governamental e 57 universidades e institutos tecnológicos continuam parados.

Leia também: Ministério Público pede retorno imediato das aulas em colégio do Rio

No documento entregue ao Planalto, o Andes-SN diz que as duas propostas apresentadas pelo Ministério da Educação aos docentes – oferecendo, respectivamente, reajuste de 12% a 40% e de 25% a 40% – "não dialogaram efetivamente com a pauta de reivindicação" dos professores. O Andes-SN diz que os percentuais aumentam as distorções salariais existentes na carreira.

A categoria também afirma que o governo não contemplou a reestruturação de carreira em sua oferta.

Mais cedo, os professores organizaram ato em frente ao Ministério da Educação no qual realizaram enterro simbólico do respeito à educação pública. Nesta sexta-feira, a paralisação das instituições federais de ensino completa três meses.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG