Ex-lanterna do Ideb, escola com Criança Esperança melhora nota na avaliação

Aulas em horário integral, programas de reforço escolar e melhora a autoestima, após professores ficarem "engasgados" com resultado levaram a evolução de 45%, diz diretor

Raphael Gomide iG Rio de Janeiro | - Atualizada às

Raphael Gomide
Crianças brincam na área comum do Ciep e do Criança Esperança. Escola melhorou desempenho

Após ter o pior desempenho entre todas as escolas públicas da cidade do Rio de Janeiro no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) em 2009, o Ciep João Goulart melhorou sua nota na avaliação em 45% em 2011, no resultado divulgado nesta terça-feira (14). A média subiu de 3,1 para 4,5, em dez pontos possíveis nas séries iniciais do Ensino Fundamental.

Leia também: Escola com Criança Esperança e Afroreggae é a pior do Rio no Ideb

Entretanto, nas séries finais, em que o colégio teve desempenho ainda pior em 2009, com a nota 1,8, não foi avaliado. Segundo o diretor Roberto Emygdio, na função desde o meio de 2011, não houve alunos suficientes.

Leia mais: Desempenho melhora na educação básica, mas ensino médio ainda patina

Leia ainda: Conheça os governadores reprovados no Ideb

Raphael Gomide
Escola do Cantagalo teve o pior desempenho no Ideb em 2009, apesar do ambiente cultural ativo

Como o iG revelou em 2011, a escola fica no Complexo Rubem Braga, no Cantagalo, que abriga o Espaço Criança Esperança, o Afroreggae e o projeto Dançando para Não Dançar, mas é administrada pela Prefeitura do Rio .

O Cantagalo recebeu R$ 71 milhões em obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), um elevador que virou ponto turístico e uma UPP (Unidade de Polícia Pacificadora), instalada em 2009. Porém toda a projeção, infraestrutura e as visitas de personagens célebres da política e da arte ao local não resultavam em bom aproveitamento escolar dos alunos.

Leia ainda: Colégio em favela com tráfico no Rio é o terceiro melhor do Brasil no Ideb

Nesta avaliação, a nota do Ciep João Goulart foi superior à meta imposta pelo MEC à escola, 3,5, e ultrapassou até a projeção para 2017, 4,4. Entretanto continua a ser uma nota baixa, ainda muito inferior à meta do Rio de Janeiro, 5,1 - também não atingida pelo Estado.

Raphael Gomide
Joice Santos disse que achava a escola ruim, e Robson Alves, que gostava da aula de Educação Física

De acordo com o diretor, Roberto Emygdio, o mau resultado mexeu com todos os funcionários . "Ficamos engasgados. Os professores se manifestaram fortemente pela escola e decidimos juntos mudar, reverter, e os funcionários abraçaram a ideia", disse ao iG .

Desde que assumiu passou a direcionar parte do trabalho de professores e monitores à preparação dos estudantes para a Prova Brasil, que integra a nota do Ideb, junto com a taxa de aprovação. 

Para ele, vários fatores levaram à evolução da nota dos alunos, mas "os méritos são dos professores da escola", os mesmos de antes, da Coordenação Regional de Educação, da Secretaria de Educação e de todos os funcionários, "do ascensorista ao cozinheiro".

Horário integral, explicadores e até elevador novo ajudaram

Após receber uma UPP, o Ciep funciona desde 2009 como "Escola do Amanhã", em período integral, com sete horas mais duas horas de reforço, com estagiários. São servidos almoço e jantar. Mais dois programas passaram a atuar no local, o "Mais Educação" - do governo federal, com aulas extras de Português e Matemática - e a atuação de "explicadores" bancados pela Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro) no reforço escolar.

Raphael Gomide
Ciep João Goulart melhorou o desempenho em 2011

Outros fatores menos tangíveis também influenciaram o resultado, na opinião do gestor: a autoestima dos alunos melhorou entre outras razões, com a chegada de elevadores novos - o colégio fica no alto do morro, e os antigos, precários, só funcionavam em parte do dia.

"O mérito não é só meu. Tenho professores de primeira linha e parceiros maravilhosos. Eu acreditei, e o diretor tem de acreditar nos professores. Minhas crianças têm capacidade e vão ser profissionais de futuro, como médicos e advogados", afirmou.

Após a reportagem do iG , o Criança Esperança anunciou que ofereceria "imediatamente" aulas de reforço escolar . O professor negou que aconteçam. "A atuação do Criança Esperança é mais com a Educação Infantil. Participação com os alunos (que fizeram o Ideb) não teve. Os méritos são dos professores", disse.

Em agosto de 2011, Roberto Emygdio, professor de matemática, prometera ao iG melhora no Ideb e que trabalharia para elevar a autoestima dos alunos e professores .

    Leia tudo sobre: Criança EsperançaIdeb

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG