37% dos municípios não batem metas no fim do ensino fundamental

Índice de cidades aquém dos objetivos no Ideb 2011 é de 22% nos anos iniciais. No ensino médio, fracasso atinge 11 Estados

Tatiana Klix - iG São Paulo |

Enquanto o governo federal comemora a superação das metas previstas para o País no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) em 2011 nos três níveis avaliados – até a 4ª série, de 5ª a 8ª séries e ensino médio – em milhares de municípios a qualidade do ensino não evoluiu como deveria. Embora as metas elaboradas em 2005 para as escolas e redes de ensino não sejam audaciosas – se tudo der certo apenas em 2021 o Brasil vai alcançar níveis semelhantes ao de países desenvolvidos – 22,3% dos municípios não chegaram ao nível desejado nos anos iniciais do ensino fundamental e 37,5% nos anos finais.

Ideb no País: Desempenho melhora na educação básica, mas ensino médio ainda patina
Bom exemplo no Rio:  Colégio em favela com tráfico é o 3º melhor do Brasil no Ideb
Desempenho no Ceará:  Estado é que mais superou as próprias metas no Ideb 2011

Criado em 2005 para mensurar o desempenho do sistema educacional do País, o Ideb varia de 1 a 10. Cada escola, município, Estado e o Brasil tem metas próprias para serem atingidas de dois em dois anos. A média geral do País na última avaliação dos anos iniciais foi de 5,0, mas a previsão do governo era inferior: 4,6. Esse índice é ajudado pelo desempenho das escolas particulares e conta com instituições e redes que já chegaram ao nível desejado para 2021, de nota 6, para elevá-lo. No entanto, algumas redes têm metas inferiores à da média nacional. Mesmo assim, várias delas falham em fazer a lição de casa.

Não chegaram às suas metas 1.162 municípios. Sergipe, Maranhão, Alagoas, Rio de Janeiro e Amapá contabilizam menos de 60% dos municípios com o dever básico cumprido, com 56,9%, 53,5%, 52,9%, 44,6% e 43,8%, respectivamente.

Redes estaduais: Conheça os governadores reprovados no Ideb

A ineficiência ocorre em maior escala na avaliação das séries finais. Neste caso, foram 2009 municípios que não tiveram as notas previstas para 2011. Em oito Estados, o índice de cidades cumprindo o desejável é menor que 50%: Roraima (zero), Amapá (13,3%), Tocantins (42,2%), Maranhão (44%), Rio Grande do Norte (48,8%), Alagoas (25,3%), Sergipe (36,5%), Rio de Janeiro (41,3%). Esses dados contribuem para o crescimento lento do Ideb nacional nesta etapa. Em dois anos, o índice subiu de 4,0 para 4,1. Para atingir a meta de 2013, terá que crescer 0,3 pontos percentuais.

A presidente da Undime, Cleuza Repulho, analisa que nos Estados e municípios em que há um forte regime de cooperação entre as redes – e que ninguém disputa o aluno por causa do recurso que é distribuído – os resultados são muito melhores. “Acho que os municípios, que são os que recebem menos dinheiro, têm conseguido desempenhar melhor o seu papel”.

Estados fora da meta

Se analisados os desempenhos dos Estados, somente na avaliação dos anos iniciais todos eles chegaram ao nível previsto. Já os números dos anos finais mostram que as redes falharam em atingir suas metas nos seguintes estados: Rondônia, Roraima, Amapá, Pará, Sergipe, Espírito Santo e Rio Grande do Sul.

Estados abaixo da meta no ensino fundamental 2: 

No ensino médio, em cuja análise é feita a partir apenas de uma amostra de escolas, a situação é ainda mais grave. Com as metas mais baixas – 3,7 para o País – e a evolução lenta –0,1 ponto percentual entre 2009 a 2011 –, a etapa tem também o maior número de Estados fora dos objetivos e, o que é pior, nove chegam a ter queda no desempenho.

Acre (3,5 para 3,4), Pará (3,1 para 2,8), Maranhão (3,2 para 3,1), Paraíba (3,4 para 3,3), Alagoas (3,1 para 2,9), Bahia (3,3 para 3m2), Espírito Santo (3,8 para 3,6), Paraná (4,2 para 4), Rio Grande do Sul (3,19 para 3,7) pioraram suas redes de ensino médio, enquanto 11 não alcançaram as notas propostas para o ano passado. São eles: Acre, Roraima, Pará, Amapá, Rio Grande do Norte, Alagoas, Sergipe, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio Grande do Sul e Distrito Federal.

“O ensino médio é o grande desafio do sistema educacional brasileiro”, admitiu Mercadante. “Fora do Brasil também”, acrescentou. Para o ministro, cada secretário municipal e estadual precisa se debruçar sobre os dados para entender o que acontece com a sua rede. “É preciso olhar as informações e tirar lições para avançar”, afirmou durante a divulgação dos dados.

Estados abaixo da meta no ensino médio: 


*Colaborou Priscilla Borges, iG Brasília

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG