Sindicatos de docentes têm posições contraditórias sobre nova proposta

Enquanto Andes, que representa maior parte dos professores de federais rejeita oferta do governo, Proifes decidiu aceitá-la

iG São Paulo |

O principal sindicato que representa os professores das universidades federais em greve reuniu-se nesta quarta-feira (25) para avaliar a nova proposta apresentada pelo governo . O grupo ainda não terminou a análise e as discussões, mas a tendência é que o Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes) rejeite a proposta apresentada pelo Ministério do Planejamento.

A nova proposta: Governo amplia pacote do reajuste para R$ 4,2 bilhões

A crítica do movimento grevista, de acordo com o diretor do Andes, Josevaldo Cunha, é que o governo manteve a mesma “essência” da proposta anterior que tinha sido apresentada no início do mês. Para o sindicato, a proposta não promove uma reestruturação da carreira de fato. Até segunda-feira os professores de cada instituição deverão discutir a proposta nas assembleias locais.

“O texto mantém a desestruturação da carreira docente, pois propõe pequenas mudanças relativas à promoção na carreira docente e às tabelas salariais correspondentes. A expectativa, no entanto, era que o governo absorvesse as críticas feitas pelo comando nacional de greve e apresentasse nova proposta que, de fato, atendesse às nossas reivindicações”, diz informe do comando de greve.

Apesar da avaliação negativa do Andes, a Federação de Sindicatos de Professores de Instituições Federais de Ensino Superior (Proifes), entidade que representa parcela menor da categoria, decidiu que aceita a proposta do governo. Para a federação, as reivindicações foram atendidas e a orientação para os sindicatos filiados ao Proifes é para que a greve seja interrompida.

Na proposta apresentada foram oferecidos reajustes que variam entre 25% e 40% para todos os docentes – antes alguns níveis da carreira receberiam apenas 12%, não incluída a inflação do período. Além disso, a data para entrada em vigor do aumento foi antecipada do segundo semestre de 2013 para março do ano que vem. O aumento será dado de forma parcelada até 2015.

O Ministério da Educação (MEC) divulgou nota defendendo que atendeu às reivindicações principais das representações sindicais e disponibilizou cerca de R$ 4,2 bilhões para a reestruturação da carreira docente, “com o objetivo de valorizar a titulação e dedicação exclusiva”. A pasta criticou a posição da Andes e disse que “não há que se falar em desestruturação de carreira”.

Os professores universitários estão em greve há 70 dias. Dados da Andes apontam que a paralisação atinge 57 das 59 universidades federais.

Veja fotos da greve: 


    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG