Técnicos dos ministérios da Educação e do Planejamento apresentam logo mais um novo orçamento para reajuste salarial e plano de carreira reformulado

A presidenta Dilma Rousseff quer partir nesta terça-feira (24) para Londres, onde participa da abertura dos Jogos Olímpicos na sexta-feira, com a greve de professores universitários e institutos tecnológicos federais encerrada. O Palácio do Planalto autorizou, assim, aos ministérios da Educação e do Planejamento a cederem em dois pontos para pôr fim à paralisação que já dura 69 dias.

Negociação: Professores esperam nova proposta do governo
Opinião: Greve nas federais é resultado da expansão das universidades
Outra categoria: Governo autoriza Eletrobras a fazer nova proposta a grevistas

Segundo fontes ligadas aos ministérios ouvidas pelo iG , técnicos reunidos na Educação acabam de reformular em dois pontos a proposta feita na semana passada. A decisão foi tomada após impasse em reunião realizada ontem no Planejamento .

O que o governo decidiu é abrir os cofres e ampliar o pacote de reajuste orçado em R$ 3,9 bilhões para o intervalo 2012-2015. O montante havia sido apresentado na semana passada para encerrar a greve que atinge 57 das 59 universidades e 33 dos 38 institutos tecnológicos federais do País. A proposta, contudo, foi rechaçada pelos professores. O governo decidiu então que irá elevar o total inicialmente previsto no orçamento, aumentando assim o ganho para até mais de 45% como sugerido anteriormente .

Outro ponto no qual os professores bateram pé e o governo irá flexibilizar diz respeito à construção de um plano de carreira que atenda aos docentes. O Planalto entende que esta é reivindicação central e logo mais irá formalizar a criação de um grupo de trabalho interministerial para redesenhar o modelo.

As mudanças foram o motivo da transferência da reunião agendada inicialmente para as 14h de hoje, remarcada para as 17h. O governo entendeu que ceder em alguns pontos é a única forma de debelar a greve antes do fim das férias dos alunos, na próxima semana.

O secretário de relações do trabalho do Ministério do Planejamento, Sérgio Mendonça, liderou as negociações de ontem e disse ao iG no final da reunião que “gostaria” de encerrar a greve até o final desta semana.

As poucas palavras de Mendonça mostraram o quadro de desconforto do governo com a continuação da greve. “Hoje [ontem] não avançamos nada”, afirmou.

Após a reunião, Mendonça se reuniu com a ministra Miriam Belchior (Planejamento) para apresentar o quadro de impasse. A ordem da ministra foi para tentar um acordo flexibilizando a postura na mesa de negociações.

A própria presidenta Dilma autorizou que era hora de finalizar a greve para evitar arranhões na imagem de seu governo, ameaçado por uma série de manifestações grevistas por servidores públicos.

Com isso, a presidenta muda o discurso de que o governo jogaria duro com grevista, argumentando que a crise internacional não permite aumento de gastos. A postura pode abrir o flanco para outras categorias exigirem tratamento semelhante ao recebido pelos professores federais.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.