Ministério Público desistiu de intermediar negociações entre sindicato e governo

Em assembleia realizada na manhã desta quarta-feira (18), os professores da rede estadual da Bahia decidiram manter a grave. Já são 99 dias de paralisação.

De acordo com a vice-coordenadora do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia (APLB), Marilene Betros, as reivindicações dos docentes incluem a formação de comissão cujos integrantes são professores e membros da APLB. O objetivo é a reforma do plano de carreira dos docentes.

Leia também: Aulões para Enem entram no impasse de greve na Bahia

Além disso, os grevistas pedem reajuste de 22,22% ainda em 2012, readmissão de professores demitidos e devolução de salários cortados. A proposta foi encaminhada ao Ministério Público. "Esperamos que o MP faça a mediação com o governo do Estado", afirmou Marilene.

A promotoria, por sua vez, declarou na última segunda-feira (16) que não vai mais ser o intermediário nas negociações entre sindicato e o governo. Uma outra assembleia foi marcada para a próxima sexta-feira (20).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.