Universidade divulgou nota nesta terça-feira em que faz “apelo ao bom senso” e diz que não vai negociar com o prédio ocupado

Agência Brasil

Estudantes da Universidade Federal do Paraná (UFPR) ocupam o edifício da reitoria da instituição há duas semanas. Eles exigem o cumprimento de uma série de itens da pauta local de reivindicações, além da abertura de negociação por parte do governo federal com as categorias dos professores e dos servidores técnico-administrativos, em greve por reajuste salarial .

Proposta aos professores: Governo prevê reajuste de até 45% em até três anos
Resposta de sindicatos: Proposta não atende às reivindicações; greve deve continuar

Nesta terça-feira (17), a UFPR divulgou uma nota na qual diz que os alunos "serão responsabilizados individualmente pelos prejuízos causados pela ocupação". De acordo com a universidade, a ocupação, promovida por "uma minoria de alunos e ex-alunos", põe em risco o pagamento de salários aos servidores e de bolsas aos alunos, além de comprometer a aquisição de alimentos e remédios para a maternidade Victor Ferreira do Amaral.

"A comissão de negociação [da UFPR] faz um apelo ao bom senso, ao direito e dever de todos e pede que a desocupação ocorra até quinta-feira (19) para que a universidade possa honrar os compromissos", diz a nota, que reitera a posição da reitoria de não retomar a negociação enquanto o prédio estiver ocupado.

Taciane Goldman, aluna do curso de ciências biológicas, disse à Agência Brasil que o os alunos estão dispostos a negociar, e que a intransigência está do lado dos representantes da reitoria. "Não fomos nós que rompemos o diálogo. O ultimato [da reitoria] nada mais é do que uma tentativa de criminalizar a ocupação", disse. "Temos uma comissão de ética que analisa os pedidos urgentes, já liberamos processos de medicamentos e becas para formaturas, por exemplo. Estamos dispostos a ser mais flexíveis", completou.

Entre as reivindicações dos alunos da UFPR estão melhorias das condições de acessibilidade para pessoas com deficiência, ampliação da assistência estudantil, aquisição de mais livros para as bibliotecas e a realização de obras de infraestrutura na universidade.

Perguntada sobre a legitimidade da ocupação, a Taciane disse que a medida foi referendada em assembleia realizada na última semana. "Mais de 500 alunos da UFPR estiveram presentes [à assembleia], e a ampla maioria deles votou pela continuidade da ocupação".

Representantes dos estudantes e a reitoria voltam a se reunir na próxima quinta-feira (19).

Fachada da Universidade Federal do Paraná (UFPR)
Rodrigo Juste Duarte/Divulgação UFPR
Fachada da Universidade Federal do Paraná (UFPR)


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.