Para Mantega, 10% do PIB em educação pode quebrar o Estado

Ministro da Fazenda criticou medidas do Congresso que aumentam os gastos do governo

iG São Paulo |

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, criticou nesta quarta-feira, dia 4, medidas aprovadas pelo Congresso que aumentam os gastos do governo e colocam em risco a solidez fiscal brasileira. Segundo o ministro, o custeio está crescendo menos que o PIB no Brasil.

O ministro citou entre essas medidas o Plano Nacional de Educação, que prevê elevar os gastos do governo federal em educação para o equivalente a 10% do PIB. "Isso coloca em risco as contas públicas. Isso vai quebrar o Estado brasileiro", disse  durante o Seminário Econômico Fiesp-Lide, em São Paulo .

Segundo Mantega, o país caminha em 2012 para um dos menores déficits fiscais de toda a série histórica, em torno de 1,4% do PIB. "É com solidez fiscal que se abre espaço para reduzir os juros. Nossa dívida líquida em 35% do PIB é a menor de todos os tempos. Nossa situação fiscal bastante sólida", explicou.

A proposta que eleva o investimento em educação foi aprovada na Câmara na semana passada . Nesta terça-feira, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante também criticou o texto que estabelece metas para a área em 10 anos . Para ele, o texto precisa identificar quais serão as novas fontes de recursos que irão custear o aumento dos investimentos na área.

*Com informações de Valor Econômico.

    Leia tudo sobre: Plano Nacional da EducaçãoPNEMantega

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG