Sem acordo sobre greve, professores e governo terão nova reunião na terça-feira

Governo queria suspensão da greve por 20 dias, até conclusão de nova proposta de plano de carreira. Professores recusaram "trégua", mas admitem avanços nas discussões

iG Brasília |

A primeira reunião entre governo e professores das universidades federais, em greve há 28 dias , terminou sem consenso, mas com “avanços” na opinião dos envolvidos. O governo federal se comprometeu a estudar e desenhar uma nova proposta para a carreira e novo encontro foi marcado para a próxima semana, na terça-feira, dia 19.

Leia também:  Mercadante diz não ver motivo para greve nas federais
Posição do sindicato:  "Greve está forte e vai continuar"

Os representantes dos Ministérios do Planejamento e da Educação que participaram do encontro, realizado na noite desta terça-feira, pediram às entidades sindicais que suspendessem a greve por 20 dias. A “trégua” não foi aceita pelos professores, que vão esperar a proposta que será apresentada pelo governo para decidir a continuação da greve. Das 59 instituições federais, 50 estão com atividades paralisadas.

Manifestação:  Estudantes e professores de federais protestam em São Paulo

De acordo com a assessoria de imprensa do Ministério do Planejamento, responsável pelas negociações, três pontos principais foram discutidos na reunião: a possibilidade de suspensão da greve até terminarem as negociações; a proposta de reestruturação da carreira dos docentes e a definição de reuniões semanais até a conclusão da proposta.

Rotina de estudante:  Alunos em aula na UnB lamentam greve

O projeto de reformulação da carreira – uma das principais reivindicações dos professores nesta greve – terá como base o plano de carreira do Ministério da Ciência e Tecnologia. O governo se comprometeu a considerar, nessa proposta, as discussões já realizadas entre as entidades até então sobre o tema, mas não adiantou detalhes do plano.

Leia também: Manifestação de estudantes termina em confusão na porta do MEC

Para o Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN), o dia foi “vitorioso”. A presidente do Andes, Marina Barbosa, afirmou que, uma das vitórias, foi a disposição do governo em antecipar as negociações finais com os professores. Previstas para o fim de agosto, elas serão antecipadas para o início de julho.


    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG