Greve por melhoria na carreira de docentes teve início nesta quinta-feira junto com paralisação nacional

As ruas da histórica cidade de Ouro Preto foram tomadas nesta tarde de quinta-feira por professores grevistas, como parte da paralisação nacional . Depois de concentração na Praça Tiradentes, centenas de professores da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) seguiram para a reitoria da entidade na tentativa de levar reivindicações formais de melhoria nas condições de trabalho.

Professores da Universidade Federal de Ouro Preto decidiram participar de greve nacional
Divulgação
Professores da Universidade Federal de Ouro Preto decidiram participar de greve nacional

Alunos a favor da greve também acompanharam os docentes em manifestação pacífica na cidade, que fica a 100 quilômetros da capital, Belo Horizonte.

Em redes sociais, estudantes manifestaram apoio aos professores e prometiam ocupar a reitoria. A universidade, por meio de sua assessoria de imprensa, informou que a manifestação é tranquila e sem intenção de ocupação, apenas tem como objetivo apresentar formalmente à reitoria propostas para melhoria das condições do trabalho na universidade.

Também conforme informações da assessoria de imprensa da UFOP, a intenção dos professores é mostrar a força do movimento grevista, mas as reivindicações são nacionais e só podem ser atendidas pelo Governo Federal. A UFOP ainda não tem oficialmente uma estimativa de adesão de professores à greve, mas prevê uma paralisação praticamente total, graças às diversas manifestações de força do movimento ao longo dos últimos dias. A instituição estima que pelo menos 300 pessoas tenham saído às ruas para apoiar os professores nesta tarde.

A expectativa é de que o reitor em exercício da UFOP, Antenor Barbosa, receba um grupo de professores do comando grevista ainda nesta quinta-feira, para ouvir as reivindicações e levá-las ao Ministério da Educação. Entre as reivindicações, destaca-se um novo de plano de carreira para os docentes. A greve dos professores da UFOP foi decidida em assembleia da categoria na última terça-feira (15) (foto).

Além da UFOP, em Minas Gerais, aprovaram greve, a partir deste 17 de maio, as seguintes entidades: Cefet-MG SINDCEFET-MG; Uberlândia ADUFU; Triângulo Mineiro (Uberaba) ADUFTM; Juiz de Fora APES-JF; Viçosa ASPUV; Lavras ADUFLA; Ouro Preto ADUFOP; S. João Del Rei ADFUNREI; Diamantina SINDFAFEID; Alfenas ADUNIFAL.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.