Além de responder à Justiça, estudantes podem receber punição dentro da universidade. Colegas protestam contra imparcialidade

A Universidade de São Paulo (USP) começa nesta quarta-feira às 10h a ouvir os 51 estudantes que passam por processo administrativo por terem participado da invasão da reitoria da instituição, em novembro do ano passado. Alunos prometem um ato de repúdio no mesmo horário e dizem contar com apoio de colegas da Universidade de Campinas (Unicamp) e da Universidade Estadual Paulista (Unesp).

Reprodução
Imagens do circuito interno de segurança mostram o momento da invasão do prédio da reitoria da USP
O processo administrativo aberto pela Procuradoria Geral da Reitoria decidirá entre as seguintes punições: advertência verbal; repreensão por escrito; suspensão; ou eliminação. Em dezembro do ano passado, um processo similar pela invasão – ou retomada, como dizem os manifestantes – de um prédio do Conjunto Residencial terminou na eliminação de seis estudantes .

Em Boletim distribuído na Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas (FFLCH), unidade com mais estudantes processados, estudantes defendem que está em jogo “não o julgamento a respeito do método utilizado pelos estudantes no fim do ano passado, que certamente é motivo de debate, mas o direito dos estudantes poderem se manifestar sem que isso seja visto como um crime”.

No mesmo texto, um dos alunos processados, Fernando Pardal, reclama da imparcialidade do processo. “Em um julgamentom os acusados têm direito a um júri supostamente desinteressado. Já nos processos administrativos da USP o caráter inquisitorial é explícito, na medida em que é a própria reitoria quem acusa, julga e pune aqueles que a confrontem.”

Segundo a assessoria da reitoria, a Comissão Administrativa nomeada para este processo é composta de três professores de unidades que não tenham vínculos com os acusados. A universidade diz que o local e o nome dos docentes é sigiloso, mas o depoimento será dentro da instituição.

Assista: Câmeras mostram momento da invasão da reitoria da USP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.