Impasse em escolas nos EUA: combater fome ou obesidade infantil

Crianças de baixa renda tomam café da manhã na sala de aula, mas políticos de Nova York temem que elas façam refeições repetidas

New York Times |

Os Estados Unidos encontraram uma maneira inovadora, intuitiva – e cada vez mais difundida – de garantir que comida chegue nas bocas de crianças com fome de famílias de baixa renda: a distribuição de café da manhã gratuito na sala de aula, antes de cada dia escolar.

Leia também: Programa de merendas escolares tenta reduzir obesidade nos EUA

Os resultados, que são presenciados em distritos urbanos por todo o país, são impressionantes. Sem o estigma de ter que ir até o refeitório para comer, o número de estudantes em Newark que tomam o café da manhã na escola triplicou. O absenteísmo diminuiu em Los Angeles, e oficiais em Chicago afirmam que as crianças de famílias de baixa renda estão comendo refeições mais saudáveis com mais frequência.

Mas a cidade de Nova York, uma das líderes na reforma da saúde pública, tem se recusado a ampliar esta proposta em suas próprias escolas e a Câmara Municipal está demonstrando uma preocupação surpreendente: que todos as refeições que se comem dentro da sala de aula possam levar a um aumento da obesidade infantil.

Algumas crianças, ao que parece, estão repetindo a dose.

A Secretaria Municipal da Saúde está considerando pausar o programa depois de ter realizado um estudo que descobriu que o programa do café da manhã nas salas de aula, agora adotado em 381 cidades e 1.750 escolas, era problemático, pois algumas crianças podem estar "inadvertidamente comendo calorias de uma maneira excessiva por estarem aproveitando o café da manhã em vários locais" – em outras palavras, comendo uma refeição em casa ou lanches a caminho da escola, e depois tomando o café da manhã disponibilizado pelo programa nas salas de aula.

No Brasil: Escolas particulares terão cantinas mais saudáveis

Entretanto, na semana passada, a presidente do Conselho Municipal, Christine C. Quinn repensou o assunto e concordou com grupos que defendem as crianças para que a cidade de Nova York siga o exemplo de outras cidades e disponibilize o café da manhã nas salas de aula em escolas que tenham alunos de famílias de baixa renda. Eles dizem que a fome e a má nutrição são problemas sérios em uma cidade onde mais de um quarto dos residentes menores de 18 anos estão vivendo abaixo da linha da pobreza.

O impasse fez com que os políticos de Nova York se deparassem com uma situação desconfortável: tentar combater a fome das crianças e ao mesmo tempo a obesidade infantil.

"Ambos assuntos são de extrema importância e por isso temos que estar constantemente em busca de soluções que possam resolver ambas as questões sem prejudicar um ao outro", disse Linda I. Gibbs, a vice-prefeita para a saúde e serviços humanos.

Ela observou que cerca de 40% dos alunos do ensino fundamental e médio das escolas de Nova York são consideradas acima do peso ou obesas.

J. Michael Murphy, professor de psicologia da Escola de Medicina da Harvard, que estudou o fenômeno dos cafés da manhã gratuitos nas salas de aula, disse que considerava a obesidade apenas uma das últimas preocupações de tais programas. Mas ele admitiu que os formuladores destas políticas bem-intencionadas poderão se deparar com um dilema.

"O que você vai fazer?" perguntou Murphy. "Ter uma balança na escola e dizer que você não pode tomar um café da manhã gratuito porque você está acima do peso?

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG