Fazer cursinho vira rito de passagem entre estudantes nos EUA

Concorrência por boas escolas impulsiona crescimento dos cursos preparatórios para testes de admissão

New York Times |

Com seus pais sentados ansiosamente na sala de espera, cinco crianças afiavam suas habilidades na realização de provas em uma escola preparatória no bairro de TriBeCa, sublinhando palavras que pudessem conter pistas para as respostas e descartando respostas ilógicas dentre escolhas múltiplas. Como lição de casa, eles tinham outros exercícios para resolver.

Leia também: Após fraude, exames de seleção nos EUA reforçam segurança

Chang W. Lee/The New York Times
Cursos preparatórios para crianças são cada vez mais comuns em Nova York
As escolas preparatórias já não são instituições localizadas em porões no Brooklyn, com a Stanley Kaplan era em seu início, e os cursos que preparam estudantes para a faculdade ou a admissão em uma escola privada são praticamente um rito de passagem na trajetória educacional dos americanos. Mas na cidade de Nova York, onde até mesmo assentos em escolas públicas podem ser recompensas de uma competição darwiniana, a indústria tem encontrado um novo filão de negócios.

Os estudantes nesta escola localizada em Manhattan, todos muito bem qualificados em suas escolas elementares, estavam estudando para os testes padronizados do Estado em que terão início esta semana exames que foram tipicamente negligenciados por muitos anos pelos pais de alunos de alto desempenho.

Mas a disputa por boas escolas a partir da 5º série do ensino fundamental se intensificou tanto à medida que mais famílias optam por permanecer na cidade e outras se veem incapazes de pagar por escolas privadas que o desempenho em testes das quarta e quinta séries se tornou crucial. Assim, muitos pais – alguns ricos, outros não – agora estão gastando centenas e até milhares de dólares com professores particulares e treinamentos de oito semanas na manhã de sábado em TriBeCa. Isso se alia à preparação para o teste que quase todas as escolas de ensino fundamental agora fornecem em sala de aula.

No Brasil: União e Estado de SP são condenados por vestibulinhos em escolas

"Nós apenas queremos aliviar a pressão do teste", disse o pai de um aluno da terceira série com inscrição no programa de TriBeCa, dirigida pela Bright Kids NYC. O programa custa cerca de US$ 550 por oito sessões de uma hora de aula. Ele pediu para permanecer anônimo por temer que a decisão de pagar aulas particulares refletiria negativamente sobre sua filha na escola, a Escola Lower Lab, que fica no Upper East Side e, como a maioria das escolas, implementou seus próprios esforços para preparar os alunos para o teste. "Eu acho que muitas famílias estão optando pelas aulas particulares de alguma forma", disse ele. "Todos que conhecemos estão fazendo algo a respeito”.

O Departamento de Educação não tentou dissuadir os pais das aulas particulares, mas tampouco seus oficiais quiseram comentar se há possibilidade de que os alunos ricos possam ter uma vantagem injusta nas admissões ao ensino médio. Mas o departamento já percebeu notas atipicamente altas em suas provas administradas a estudantes de 4 e 5 anos de idade, com os números divulgados mostrando que 2.656 alunos se qualificaram para cerca de 400 vagas nas escolas mais seletivas este ano.

Provas:
Nova moda nos vestibulares, interdisciplinaridade ainda é desafio

O departamento irá mudar para um novo tipo de teste no próximo ano, em parte em resposta às preocupações de que aulas e preparação para testes estejam influenciando os resultados.

"Os estudantes de escolas com ensino forte e um currículo rico devem estar bem preparado para os exames anuais", disse Shael Polakow-Suransky, chefe do departamento acadêmico. "Ao mesmo tempo, incentivamos que as famílias reforcem o que os alunos aprendem na sala de aula com atividades como ler, escrever e resolver problemas complexos."

Alguns pais contratam professores particulares quando seus filhos estão na terceira série, um ano inteiro antes da prova da quarta série que muitas escolas usam para admissões seletivas. Com isso, escolas preparatórias apareceram por toda a cidade oferecendo aulas particulares ou em grupo.

A escola Sylvan Learning anuncia cursos preparatórios para a prova de qualquer Estado. A Manhattan Edge oferece tutoria individual para os exames estaduais pelo preço de U$ 80 a US$ 150 por hora. A Park Slope Tutorial, que custa US$75 a hora, lembra os pais o quão difícil é entrar em uma boa escola do ensino fundamental.

Esta disputa por boas escolas é mais aparente em Manhattan, onde o grande número de prédios construídos elevou à chegada de crianças em idade escolar. Desde 2002, quatro novas escolas foram inauguradas no Distrito 2, que vai do Upper East Side até o centro de Manhattan. Mas não demorou muito para que as vagas já não fossem suficientes para os estudantes da região.

Além disso, para ter uma chance em escolas como estas, os alunos precisam ter notas excelentes nos testes.

A escola East Side recebeu cerca de cinco inscrições neste ano para cada vaga. O diretor David Getz disse ter ouvido falar sobre os novos cursos preparatórios e afirmou simplesmente: "Espero que os pais estejam fazendo isso apenas se seus filhos realmente precisarem de estudo complementar, ao invés de apenas para se sair bem em um teste", disse Getz.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG