Com greve, prefeitura de BH anuncia compra de vagas em creches

Paralisação de educadores da rede infantil já dura um mês e crianças de zero a 6 anos de idade estão sem aulas

Denise Motta, iG Minas Gerais |

A Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) publicou nesta quinta-feira (19), no Diário Oficial do Município, um comunicado informando sobre a compra de vagas para atendimento de crianças, em virtude de uma greve de educadores infantis, que dura 30 dias. “O Município de Belo Horizonte comunica que publicará edital, em caráter temporário, para compra de vagas na Educação Infantil para o atendimento de crianças de zero a seis anos em instituições particulares, localizadas em Belo Horizonte, e autorizadas pelo Conselho Municipal de Educação. Tal iniciativa se justifica pelo prejuízo causado às crianças e seus familiares devido à greve dos educadores infantis”.

A Secretaria Municipal de Educação foi procurada pelo iG e informou que mais informações sobre o assunto apenas serão detalhados quando o edital for publicado, nos próximos dias. A assessoria não soube informar quantas crianças estão prejudicadas pela greve, pois um levantamento ainda está sendo feito. E não garantiu que a compra de vagas será apenas para o período de paralisação.

Nesta quarta-feira, a PBH divulgou uma nota informando sobre proposta de negociação com educadores infantis. Entre os pontos está aumento de R$ 50 (4,86%) no vencimento-base inicial, R$ 20 a mais em prêmio de participação em reunião pedagógica (R$ de R$ 80 para R$ 100) e R$ 300 de abono de estímulo à fixação profissional (de R$500 para R$ 800).

A diretora do Sindicato dos Professores da Rede Publica Municipal de Belo Horizonte (Sind-rede), Letícia Coelho Oliveira, explica que os educadores infantis, por terem diploma de curso superior (pedagogia), merecem receber como o piso dos professores de ensino fundamental, que é de R$ 1.600. Atualmente os educadores recebem R$ 1.030.

“Enviamos ao Ministério Público este comunicado da prefeitura porque entendemos que se ela tem dinheiro para comprar vaga em escola particular, também tem para atender nossa reivindicação. E como eles farão com os alunos que não conseguiram vaga nas escolas infantis públicas? Vão comprar vaga também?”, questiona Oliveira, referindo-se à existência de um déficit de vagas. A diretora ainda informou que existem 2.200 educadores infantis em Belo Horizonte e que cerca de 40% deles estão parados, em adesão à greve por melhoria salarial.

    Leia tudo sobre: crecheseducação infantilminas gerais

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG