Campanha no Pará termina com 'tecno-brega' e carreatas

Nas ruas de Belém, o clima é de “já ganhou” entre os contrários à divisão; bandeiras enfeitam ruas, bares e casas

Wilson Lima, enviado especial a Belém |

AE
Em Belém, carreata encerra campanha contra a divisão do Pará
A campanha do plebiscito que ouvirá a população do Pará sobre a criação de mais dois Estados, Carajás e Tapajós, terminou neste sábado com carreatas e "tecno-brega" nas principais bases eleitorais.

Leia também: Paraenses decidem hoje se repartem Estado em três

Os três possíveis Estados:

Carajás: Estado pode ser um dos mais ricos e violentos do Brasil

Tapajós: Estado será maior que Minas e Bahia, mas mais pobre que o Piauí

Novo Pará: Se for criado, Estado será tão alfabetizado quanto São Paulo

Em Marabá, os separatistas realizaram uma carreata pelas principais ruas da cidade com a presença de líderes locais; em Santarém, o dia também foi da última mobilização pró-emancipacionista. Na região metropolitana de Belém, ocorreram duas carreatas. Uma pela manhã, na capital e outra à noite, em Castanhal, cidade a aproximadamente 70 quilômetros da capital paraense. Pela noite, a carreata foi encerrada com o jingle da campanha, no estilo "tecno-brega".

iG no Pará:

- Em Carajás, católicos e evangélicos se unem para criar Estado

- Em coração separatista, campanha é tímida e participação, pequena

- Pai trabalha para dividir o Pará. Filha, para mantê-lo unido

- Separatistas dizem que é "dificílimo" conseguir criar Estados

- Campanha separatista abre feridas e gera revolta

Na região metropolitana de Belém é evidente o clima de “já ganhou” entre os moradores. Nos últimos dias, os belenenses se vestiram de vermelho e branco (as cores da bandeira do Pará) para dar apoio à não divisão do Estado. Nos últimos dias também aumentou o número de pessoas que compraram camisetas do Pará em pontos turísticos da cidade, como uma forma de dar apoio à campanha do “Não”. Bandeiras também são vendidas nas avenidas e em locais de grande fluxo de pessoas na capital.

Os dois lados: Conheça os argumentos de quem é a favor e contra a divisão do Pará

Na TV: Veja vídeos da campanha eleitoral no Pará

Também vão vistas com frequência bandeiras nos carros e também nas principais avenidas de Belém. Em alguns locais, bandeiras do Pará dividem espaço com parcas bandeiras verde e amarelas, da representação emancipacionista. “Acho que não vão conseguir dividir o Estado. Vai ficar para a próxima”, afirma o taxista Maurício Gomes, de 62 anos, natural de Belém.

Essa confiança do não é fruto dos últimos levantamentos do Datafolha sobre o plebiscito. A última pesquisa Datafolha divulgada nesta sexta-feira, aponta que dois terços dos paraenses não querem a divisão do Estado; já enquete realizada pelo iG aponta que 80% dos brasileiros são contrários a divisão. Os integrantes das frentes unionistas evitam o “já ganhou” entretanto já existe uma festa sendo articulada para a avenida Doca de Suza Franco, no Centro de Belém. Também já estão sendo articuladas festas em cidades como Castanhal, Cametá, Abaetetuba, Ananideua, Vigia, Bujarú, São Miguel do Guamá, entre outras. As frentes unionistas pretendem realizar comemorações também em Santarém e Marabá, capitais dos possíveis novos Estados.


    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG