França condena Continental por acidente com Concorde em 2000

Empresa americana recorrerá de decisão, que define pagamento de multa milionária pelo acidente que deixou 113 mortos

iG São Paulo |

A Justiça francesa considerou nesta segunda-feira que a empresa americana Continental Airlines foi responsável pelo acidente com o jato Concorde que deixou 113 mortos nas proximidades de Paris em 25 de julho de 2000.

O tribunal de Pontoise condenou a Continental a pagar uma multa de 200 mil euros (cerca de R$ 447 mil) pelo acidente. Além disso, deverá pagar mais um milhão de euros (R$ 2,2 milhões) por danos e prejuízos à Air France, operadora do Concorde que caiu dois minutos depois da decolagem em Paris com destino a Nova York.

Um mecânico da Continental, John Taylor, também foi condenado a 15 meses de prisão por causa do acidente. A pena, porém, poderá ser suspensa.

Um documento do Escritório de Investigações e Análises (BEA), autoridade francesa encarregada dos aspectos técnicos, afirmou que o que acidente foi provocado por uma lâmina de titânio que se desprendeu de um avião DC10 da Continental Airlines que acabara de decolar do aeroporto Charles de Gaulle. Uma roda do Concorde explodiu depois de passar sobre a lâmina, de acordo com o BEA, e as peças expelidas provocaram um buraco no tanque combustível, o que provocou um vazamento e um incêndio. Logo em seguida, pela primeira vez um modelo do Concorde caiu.

A Continental Airlines nega qualquer responsabilidade no acidente e alega que o avião pegou fogo antes de tocar a lâmina em questão. A empresa vai recorrer da decisão.

Depois do acidente, os Concorde da Air France e da British Airways permaneceram 15 meses em terra. Em 2003, deixaram de voar.

A frota de Concorde, que iniciou os voos comerciais em 1976, tinha 20 aeronaves. Muitos faziam voos transatlânticos a uma velocidade superior a 2.170 quilômetros por hora.

Com AFP

    Leia tudo sobre: concordeaviãoacidentedesastres aéreos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG