Mais de 100 corpos foram resgatados de avião, que levava 152 pessoas a bordo; não há sobreviventes, dizem as autoridades

Ninguém sobreviveu à queda do avião da empresa Air Blue que se acidentou por volta das 3h (horário de Brasília) desta quarta-feira no Paquistão com 152 pessoas a bordo, disseram autoridades. A aeronave havia decolado às 7h50 locais (23h50 de terça em Brasília) na cidade de Karachi, sul do país, com destino a Islamabad, e se acidentou em área muito arborizada das Colinas de Margala, região ao norte da capital paquistanesa, quando se preparava para pousar.

Inicialmente, o ministro da Informação do Paquistão, Qamar Zaman Kaira, e o ministro do Interior Rehman Malik informaram haver sobreviventes. Kaira disse que seriam oito, enquanto Malik disse seis. Mas depois Kaira disse que as informações recebidas do local do acidente estavam incorretas, e posteriormente as duas autoridades disseram que ninguém havia sobrevivido ao desastre.

Equipes de resgate trabalham sob fortes chuvas para retirar os corpos dos destroços e, segundo a rede de TV CNN, mais de 100 teriam sido recuperados. As equipes de socorro informaram que a maioria dos corpos estava muito mutilada. "A única coisa que vi foram mãos ou pés carbonizados", contou o  socorrista Arshad Javed, que participa das tarefas de resgate do acidente, o mais mortífero da aviação paquistanesa em 18 anos.

O governo paquistanês decretou um dia de luto nacional. O primeiro-ministro paquistanês, Yousef Raza Guilani, e o presidente Asif Ali Zardari "expressaram seu pesar e sua dor por esse trágico acidente e estão rezando pelos passageiros mortos".

Familiares dos passageiros que esperavam a chegada do avião choravam angustiados no aeroporto depois de terem recebido as notícias do desastre. "Não podemos explicar a dor que sentimos", afirmou Bilal Haider, que esperava seu irmão mais novo, Abbas, que foi a Karachi para uma entrevista de trabalho.

As equipes que vasculham os restos do avião encontraram a chamada "caixa-preta" (que na verdade tem cor laranja), que registra os dados do voo ou grava a voz da cabine de comando, de acordo com o embaixador do Paquistão na Grã-Bretanha, Shamsul Hasan. Informações do equipamento ajudarão as autoridades, que já lançaram uma investigação sobre a tragédia, a determinar as causas do acidente.

À Reuters, o porta-voz da Aviação Civil local, Mubarik Shah, afirmou que 152 pessoas estavam a bordo: 146 passageiros e seis tripulantes. Shah, que afirmou que a tripulação tinha perdido contato com a torre de controle minutos antes de cair, disse as causas do acidente são desconhecidas.

Versões não confirmadas asseguram que o avião tinha recebido ordem de seguir sobrevoando a zona, pois o aeroporto de Islamabad estava congestionado. Redes de televisão mostraram imagens da fuselagem, parcialmente em chamas e totalmente destruída, em uma região elevada das colinas.

Testemunhas citadas pela "Geo TV" disseram ter visto o avião voando em altitude muito baixa antes do acidente, e outros afirmaram ter ouvido uma explosão minutos depois. Também há versões não confirmadas que mencionam que houve uma explosão no depósito de combustível em pleno voo.

O acidente aconteceu quando caía uma forte chuva e havia nevoeiro. As condições do tempo e o difícil acesso ao local do acidente dificultam o trabalho das equipes de resgate, que contam com três helicópteros e uma unidade de soldados do Exército, disse um porta-voz militar à "APP".

A região do acidente está tão coberta por árvores que é impossível chegar ao local em veículos. Por isso, os trabalhos de resgate estão a cargo de pessoal que se desloca a pé e dos helicópteros que sobrevoam o local constantemente.

A Air Blue opera desde 2004 com os Airbus A320 e A321 e realiza voos domésticos e internacionais para lugares como Dubai e Manchester, na Grã-Bretanha. A segurança dos voos no Paquistão é considerada relativamente boa.

Em julho de 2006, um Fokker-27 da companhia Pakistan International Airlines (PIA) que se dirigia para Lahore (leste) caiu perto da cidade de Multan (centro), causando a morte das 45 pessoas a bordo. O acidente mais mortífero com um avião paquistanês remonta a setembro de 1992: um Airbus A300 da PIA caiu perto do aeroporto de Katmandu, no Nepal, depois de uma manobra de aproximação prematura em meio a más condições meteorológicas, deixando 167 mortos.

Avião vinha de Karachi e caiu minutos antes de pousar em Islamabad
Arte/iG
Avião vinha de Karachi e caiu minutos antes de pousar em Islamabad
*EFE, Reuters e AFP

Veja o especial sobre desastres aéreos

Veja a lista com os piores acidentes aéreos dos últimos dez anos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.