Após acidente, brasileira grávida está em observação na Colômbia

Caroline Gonçalves é a única dos quatro brasileiros que sobreviveram à queda de avião em San Andrés que ainda está no hospital

Luísa Pécora, iG São Paulo |

Apenas um dos quatro brasileiros que sobreviveram ao acidente que ocorreu nesta segunda-feira na ilha de San Andrés, na Colômbia, continua no hospital. Caroline Gonçalves, que está grávida de cinco meses, não corre perigo mas está em observação na clínica Villa Real, em San Andrés.

Procurada pelo iG , a gerente da clínica, Johanna Villareal, afirmou que a brasileira foi examinada por uma ginecologista imediatamente após chegar ao local. "Ela está em observação porque perdeu líquido amniótico (que envolve e protege o bebê) como consequência do acidente", afirmou a gerente. "O marido está bem e a acompanha."

Reuters
Destroços de avião de passageiros da Colômbia são vistos em pista de aeroporto da ilha de San Andrés, na Colômbia

Caroline viajava com o marido, Tiago Cavalcanti, e um casal de amigos - Catherine Lobo e Ramiro Alves Branco Lobo de Almeida. Todos sofreram ferimentos leves.

Almeida e Cavalcanti são oficiais do Exército brasileiro e prestam serviço no 8º Batalhão de Infantaria de Selva, na região de Tabatinga (AM), na fronteira colombiana. Os dois casais planejavam permanecer seis dias na ilha de San Andrés, popular destino turístico no Mar do Caribe. "Agora minha esposa está muito abalada e estamos querendo regressar ao Brasil o quanto antes", afirmou Almeida.

Em entrevista à BBC, ele relatou momentos de tensão durante o pouso forçado em San Andrés. "Eu vi na nossa esquerda um clarão e sabia que ali estava pegando fogo. Tudo o que eu pensava era: esse avião vai explodir e nós estamos dentro dele", afirmou.

Almeida relata que, apesar do mau tempo, o comandante da aeronave anunciou o pouso com tranquilidade. Em seguida, no entanto, o avião começou a descer em alta velocidade e ele pensou que a aeronave cairia no mar.

"O avião estava descendo muito rápido e eu comecei a ficar com medo, estava muito rápido, não era normal aquilo, então pensei: não acredito que vou morrer aqui", relata Almeida. "O avião pousou com muita força, foi cena de filme mesmo e caímos na ponta da pista (...) por pouco não caímos no mar", afirmou.

Raio

O Boeing 737 da companhia aérea Aires havia partido de Bogotá e levava 131 passageiros a bordo e se partiu em três partes no momento do pouso. Apenas uma pessoa morreu .

Suspeita-se que o acidente tenha sido causado por um raio que atingiu a aeronave no ar. Especialistas ouvidos pelo iG , porém, afirmam que raio não desestabiliza o avião a ponto de derrubá-lo .

Almeida conta ter visto muitas pessoas desacordadas depois do impacto. Antes de descer do avião ele diz ter soltado o cinto de segurança de uma mulher que estava sentada ao lado, em estado de choque, e em seguida saiu correndo por uma das asas do avião até alcançar a pista.

"Quando vi que estávamos vivos, a única coisa que poderíamos fazer era correr, foi instinto de sobrevivência", disse. Almeida disse que ele e outros sobreviventes pularam um dos muros de contenção da pista com ajuda de moradores da região e em seguida foram levados ao hospital.

Com BBC

    Leia tudo sobre: acidentedesastres aéreosbrasileiroscolômbia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG