Dono de companhia de avião que caiu é proibido de deixar o Paquistão

Após acidente que matou 127 a bordo, Farooq Bhoja está sob custódia enquanto um inquérito apura as causas da tragédia em Islamabad

iG São Paulo |

O Paquistão proibiu que o dono da companhia aérea Bhoja Air, do avião que caiu e matou 127 na sexta-feira, de deixar o país e ordenou neste sábado que ele fique sob custódia enquanto começa uma investigação sobre o maior desastre aéreo do país em menos de dois anos.

Saiba mais: Veja o especial do iG sobre desastres aéreos

O avião da Bhoja Air caiu na sexta-feira quando tentava pousar em Islamabad matando todos os 127 a bordo e fazendo reviver preocupações sobre segurança na aviação de um país marcado por problemas econômicos massivos, disputa governamental e insurgência islamita.

A companhia aérea doméstica, que voltou a operar no mês passado depois de suspender seus voos em 2001 devido a problemas financeiros, apontou o mau tempo como a causa do acidente.

Segundo o ministro do Interior Rehman Malik, o nome de Farooq Bhoja, dono da Bhoja Air, foi colocado na lista de “controle de saída”, o que significa que ele está proibido de deixar o Paquistão. A mesma medida é utilizada contra suspeitos ou acusados de terem cometido algum tipo de crime. De acordo com o ministro, Bhoja está sob custódia enquanto uma investigação criminal foi lançada para averiguar as condições em que ocorreram o acidente.

Ele disse ainda que a companhia aérea “parece ter culpa já que adquiriu uma aeronave muito velha”. “Se a administração da companhia não tem dinheiro suficiente não significa que pode comprar uma aeronave de mais de 30 anos como se fosse um riquixá (carroça) e começar uma companhia aérea.”

Comissão

Após o acidente, o primeiro-ministro Raza Gilani disse ter ordenado uma comissão judicial para apurar o que levou ao acidente. “Não é justo chegar a qualquer conclusão sem uma investigação apropriada”.

Jahanzeb Khan, representante da Bhoja Air, não quis comentar o tema.

O governo paquistanês vem sendo duramente criticado por conceder licença à Bhoja, uma das três companhias aéreas privadas no país.

Soldados e equipes de emergência retomaram as buscas por corpos e restos mortais logo no início da manhã deste sábado. As buscas são feitas em meio a destroços do Boeing 737-200, espalhados ao longo de 1 km de fazendas de trigo a cerca de cinco quilômetros do Aeroporto Internacional Benazir Bhutto. O avião vinha da cidade de Karachi para Islamabad quando caiu. Após a queda, o avião pegou fogo. Imagens de televisão mostraram partes da aeronave, incluindo o que parecia ser a asa e o motor, contra a parede de um pequeno prédio.

O último grande acidente aéreo no Paquistão aconteceu em julho de 2010 e foi o pior da história do país. A queda de um Airbus A321 da Airblue bateu em montanhas perto de Islamabad, deixando 152 mortos.

Arte/iG
Mapa mostra rota de avião, que seguia de Karachi para Islamabad, no Paquistão
*Com AP

    Leia tudo sobre: paquistãoaviãoboeingdesastres aéreosacidente

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG