Délia Razuk assume amanhã Prefeitura de Dourados

Atual presidente da Câmara de Vereadores local toma posse como prefeita pela via indireta

Alessandra Messias/iG Campo Grande |

Arte/iG
Juiz-'prefeito' Eduardo Rocha entrega notificação para que Délia Razuk assuma Prefeitura de Dourados
Com a decisão do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS), a presidente da Câmara Délia Razuk (PMDB) deve assumir amanhã (8) a Prefeitura de Dourados.

Ela será a primeira mulher na cidade a ocupar o cargo, de forma indireta, pois é a próxima na linha sucessória da administração municipal.

Na determinação do TJ, o juiz Eduardo Machado Rocha não permanecerá mais como prefeito interino da cidade. Ele já assinou a notificação e também já encaminhou para que a vereadora assinasse o pedido do Tribunal.

Depois que assinou o documento o juiz afirmou que em 2012, se a “politicagem” continuar na administração de Dourados, poderá se candidatar. “Se até lá, não fizeram um trabalho pensando nos anseios da população, posso colocar meu nome para ser apreciado”.

O juiz-prefeito está no cargo desde o dia quatro de setembro, depois de deflagrada a Operação Uragano da Polícia Federal, que levou para a prisão 29 pessoas no dia 1º de setembro, entre elas o prefeito Ari Artuzi, o vice Carlinhos Cantor e nove vereadores, incluindo o presidente da Câmara, Sidlei Alves (DEM).

Como os dois na linha de sucessão (vice e presidente da Câmara) foram presos, o TJ nomeou o juiz, até que a Câmara de Vereadores fosse restabelecida.

Com a saída de Sidlei Alves, Délia Razuk foi eleita pelos vereadores e empossada como presidente da Câmara, ela passou a ser a primeira na linha de sucessão de acordo com a Lei Orgânica do Município (LOM).

A confirmação da posse de Délia só foi possível depois do afastamento de Carlinhos Cantor e do julgamento do TJ. Caso não haja nenhuma interpelação judicial favorável aos acusados, Délia deve ficar no cargo de prefeito até dezembro.

A permanência no cargo até o final do mandato de Artuzi, em dezembro de 2012, vai depender das decisões judiciais que envolvem, principalmente a cassação do prefeito e do vice.

Ao receber a notificação da Câmara de Vereadores informando que estava afastado por determinação TJ da pasta de vice-prefeito de Dourados, Carlinhos Cantor, se negou a assinar o documento.

De acordo com o advogado, Valdeci Ferreira, que foi pessoalmente levar a notificação, o vice-prefeito disse que “a decisão do Tribunal de afastá-lo pode ser contestada e ele não quis assinar a notificação”.

O advogado afirma que a assinatura de Cantor não é necessária, pois ele tem ciência da decisão do TJ e cabe a ele tomar as medidas necessárias. O vereador Marcelo Hall, o Marcelão, afastado do cargo pelo TJ, também não assinou o documento.

Ação de improbidade

Enquanto isso, o Ministério Público Estadual prepara ação baseada em improbidade administrativa. Todos os parlamentares envolvidos no esquema de propina pago por empresas privadas podem perder o cargo, ficarem inelegíveis por oito anos, pagar multas e devolver dinheiro aos cofres públicos.

Os bens também podem ser seqüestrados se forem comprovados o enriquecimento proveniente de dinheiro do poder público.

A decisão do TJ forçou a presidente da Câmara de Vereadores de Dourados a convocar os suplentes.

Ela o fez imediatamente para não ter prejuízos na próxima sessão marcada para quarta-feira, após o feriado prolongado de Divisão do Estado e Nossa Senhora Aparecida (dias 11 e 12).

Tomaram posse da Câmara ontem seis suplentes: no lugar de Sidlei Alves (DEM), assumiu Pedro Alves Lima (DEM) “Pedro Pepa”; de Aurélio Bonatto (PDT), tomou posse Alberto Alves dos Santos (Bebeto-PDT); saiu José Carlos Cimatti (PSB), e ficou Elias Ishy (PT).

Já no lugar de Zezinho da Farmácia (PSDB) assumiu Walter Hora (PPS); Júlio Artuzi foi substituído por Juarez de Oliveira (PRP) “Juarez amigo do esporte” e também saiu Marcelo Barros (DEM) e entrou o suplente Alan Guedes (DEM).

Três suplentes já haviam assumido os cargos alguns dias após as prisões: no lugar de Edvaldo Moreira ficou Cemar Arnal (PDT); Humberto Teixeira Júnior foi substituído por Albino Mendes (PR) e Paulo César Bambu (DEM) por Cido Medeiros (DEM).

O último suplente que deve tomar posse é Laudir Munaretto (PMDB), no lugar de Délia Razuk, que vai assumir a prefeitura.

Para substituir Délia no cargo de presidente da Câmara ficará Dirceu Longhi (PT) que é o vice da Mesa Diretora.

Segundo a assessoria da Câmara de Dourados, Délia Razuk, ainda deve definir o dia da posse, mas espera que todos os procedimentos legais sejam executados para que não ocorram novos problemas na cidade.

    Leia tudo sobre: Eleições MSEleições Dourados

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG