Um passeio árido pelo SWU Music and Arts Festival

Organização detalha local do evento e confirma a existência de mais um artista internacional de peso a ser anunciado

Guss de Lucca, iG São Paulo |

Luciano Trevisan
Milkon "Mac" Chriesler, diretor geral do SWU, apresenta o espaço da Pousada Maeda que abrigará o festival
Um descampado a perder de vista e poeira, muita poeira. Essas foram as principais características que marcaram a visita monitorada que a organização do SWU Music and Arts Festival concedeu à imprensa nesta quinta-feira (26.08), detalhando o local onde se apresentarão bandas como Rage Against The Machine, Linkin Park e Queens of the Stone Age, para um público esperado de 180 mil pessoas em três dias.

Localizado a 15 quilômetros do centro de Itu, no interior de São Paulo, o Pesqueiro e Pousada Maeda já tem em seu currículo eventos musicais, mas nenhum com a dimensão do festival que abrigará nos dias 9, 10 e 11 de outubro.

De acordo com Milkon "Mac" Chriesler, diretor geral do SWU, a fazenda foi escolhida por atender requisitos importantes, como a proximidade com grandes centros e a capacidade de abrigar um evento desse porte. Apesar de pouco alterada, a paisagem que ocupa grande parte das terras do Pesqueiro Maeda começam a passar por mudanças na próxima semana, tendo início com as estruturas hidraulicas e elétricas.

"O tempo de montagem da estrutura do festival deve durar 30 dias. Além dos palcos, tendas e demais espaços, estamos abrindo três novas entradas e teremos três pontos de estacionamentos", explica.

Música, comunidade e imaginação

Enquanto caminha, Mac aponta os locais onde estarão dispostas as três arenas que formam o SWU. Quem pisa no local pela primeira pode ter dificuldade em imaginar o enorme descampado tomado pelas 60 mil pessoas esperadas por dia.

Luciano Trevisan
Teleférico da fazenda Maeda: único elo entre o agito do SWU e a paz do jardim japonês
Aqueles que optarem por chegar pela entrada principal da fazenda Maeda, localizada no quilômetro 18 da rodovia Santos Dumont (SP 75), vão se deparar com o Palco Oi Novo Som, em que serão apresentadas bandas do cenário da música independente no país, as tendas de música eletrônica e o "village", um espaço dedicado a exposições de arte e atividades ligadas a sustentabilidade, tema principal do festival - é nessa área que, de acordo com o diretor do evento, os participantes poderão carregar seus aparelhos de telefone celular em uma ilha de energia solar, além de usufruir de um centro de reciclagem e uma praça de alimentação vegetariana.

"Estamos fazendo um festival de música, não de rock ou pop. A música está em primeiro lugar. E o ambiente permite que o cara assista ao show da banda que gosta e dê uma volta para aproveitar outras coisas enquanto espera por outra atração", diz o organizador.

Os palcos principais serão demarcados por uma cerca natural, cada um com 80 metros quadrados. Do outro lado do espaço, a mata fechada servirá de entrada para quem deixar o carro no estacionamento premium. "Planejamos algumas ações especiais nesse caminho", conta Mac.

Quem optar por se hospedar no camping da Fazenda Maeda, com capacidade para 8 mil barracas, terá direito a desfrutar de outras atrações do local, como o jardim japonês, cujo acesso aos visitantes só será permitido por um teleférico.

"O legal é que as pessoas acampadas fazem o seu próprio evento: sempre aparece alguém com uma bola, um violão, e por alguns dias você acaba ganhando novos vizinhos, conhecendo gente interessante. É uma experiência única que eu recomendo", conta Mac, que já participou de diversos campings em festivais no exterior.

Mas o camping da pousada Maeda não é o único destino dos participantes do festival. Outros
campings da cidade de Itu e região devem receber mais 30 mil pessoas, cujo acesso ao evento será facilitado por translados diretos, que visam minimizar o uso de carros na região.

Woodstock brasileiro

Comparações com o SWU e o festival de Woodstock não deixam de ter algum fundamento. Além do camping e da mescla de artistas diferentes, o evento brasileiro conta com a curadoria do norte-americano Michael Lang, um dos quatro organizadores do cultuado festival sessentista.

De acordo com Mac, apesar da semelhança de conceito, o festival de 1969 tentou criar um movimento diferente do SWU, que é focado na consciência ecológica - fator que inclusive foi decisivo na escolha de suas atrações.

"Num primeiro momento abordamos diretamente os artistas e explicamos a mensagem do festival, caso do Rage Against the Machine, cujos integrantes decidiram que era o momento para tocar no Brasil e pela primeira vez permitiram que seu show seja transmitido via broadcast ao vivo ", explica.

Num segundo momento a organização foi atrás de músicos que tivessem disponibilidade na agenda, e apesar do sucesso nas buscas, Mac revela que um deles foi descartado por não se interessar pelo tema e exigir um destaque maior dentro do festival - o que não inviabilizou sua vinda ao país no período (Rush? Bon Jovi?).

Mas foram nomes como Dave Matthews Band, Linkin Park e Queens of the Stone Age que chamaram a atenção de outros festivais, como o norte-americano Coachella, cuja organização enviou um e-mail parabenizando a equipe do SWU pela repercussão alcançada, e o britânico Glastonbury, que garantiu a participação de seus integrantes no evento brasileiro.

Apesar de já ter divulgado a maior parte de suas atrações, Mac garantiu que em breve mais um artista internacional de peso será anunciado, assim como uma atração nacional de grande importância.

Serviço SWU

Local: Pesqueiro e Pousada Maeda
Rodovia SP 75 (Santos Dumont) Km 18 - Itu /SP
Data: 9, 10 e 11 de outubro de 2010

Abertura dos portões: 12h00
Encerramento das atividades: 02h00

Atrações já confirmadas

Dia 09: Rage Against the Machine, The Mars Volta, Mutantes, Infectious Groove e Black Drawing Chalks. Tenda eletrônica: DJ Marky, The Twelves, Killers on the Dance Floor e Glocal.

Dia 10: Dave Matthews Band, Kings of Leon, Regina Spektor, Sublime with Rome, Joss Stone, O Teatro Mágico, Capital Inicial e Jota Quest. Tenda eletrônica: DJs Sharam, Roger Sanchez, Markus Schulz, Life is a Loop, Mario Fischetti, Sander Kleinenberg e Nick Warren.

Dia 11: Queens of the Stone Age, Linkin Park, Incubus, Pixies, Avenged Sevenfold, Cavalera Conspiracy, Yo La Tengo, Rahzel e Gloria. Tenda eletrônica: DJ Erol Alkan, Gui Boratto, Anderson Noise. Palco Oi: Cansei de ser Sexy.

Ingressos:

Pista Comum

R$ 105,00 (meia entrada)
R$ 210,00 (inteira)

Área Premium

R$ 290,00 (meia entrada)
R$ 580,00 (inteira)

Passaportes:

Pista Comum (para os 3 dias de evento)

R$ 285,00 (meia-entrada)
R$ 570,00 (inteira)

Pista Premium (para os 3 dias de evento)

R$ 840,00 (meia-entrada)
R$ 1.680,00 (inteira)

Vendas pela internet (Ingresso Rápido - www.ingressorapido.com.br), telefone (4003-1212 - de segunda a sábado, das 9h às 22h e domingos e feriados das 11h às 19h) e nos pontos credenciados por todo o Estado de São Paulo e nas cidades do Rio de Janeiro, Niterói (RJ), Curitiba (PR), Florianópolis (SC), Joinville (SC), Belo Horizonte (MG), Juiz de Fora (MG), Uberlândia (MG), Uberaba (MG), Brasília (DF), Goiânia (GO, Salvador (BA), Lauro de Freitas (BA), Porto Alegre (RS) e Recife (PE).

Classificação etária: 14 a 15 anos acompanhados dos pais ou responsáveis legais, a partir de 16 anos desacompanhados.

    Leia tudo sobre: SWU

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG