Tom Selleck fala sobre a série "Blue Bloods"

Ator comenta seu novo papel na TV e esclarece projetos ligados ao seriado "Magnum" e ao filme "Três Solteirões e Um Bebê"

Reuters |

Divulgação
Tom Selleck (centro) no papel do chefe de polícia Frank Ryan, personagem do seriado policial "Blue Bloods"
Com uma carreira de quatro décadas em Hollywood, que tem como ponto alto a comédia "Três Solteirões e Um Bebê", sucesso de 1987, e passagens distintas pela TV, como no papel principal da série "Magnum", pela qual ganhou o Emmy em 1984, o ator Tom Selleck retorna aos seriados em "Blue Bloods", em que interpreta um chefe de polícia em Nova York.

Selleck divide seu tempo entre sua fazenda de abacates no sul da Califórnia e Nova York, onde se passa a história de "Blue Bloods", que trata de uma família de várias gerações de policiais, com estreia marcada para sexta-feira.

Ele conversou com a Reuters sobre o papel do comissário de polícia Frank Ryan, o elenco do seriado e por que construir uma cadeira é algo que o agrada.

Reuters: Os seriados policiais vão e vêm. De que maneira "Blue Bloods" vai se destacar?

Tom Selleck: Além do aspecto dos procedimentos policiais, teremos esse aspecto de uma família de três gerações de policiais de origem irlandesa. E nem sempre se vê um seriado que funde drama familiar com drama policial.

Reuters: Como você se preparou para o papel?

Tom Selleck: Já representei policiais no passado, então pude me basear nessa experiência. E Frank Regan é também um pai. Embora eu não tenha me baseado na figura de meu próprio pai, Frank é um bom pai, e eu penso em meu pai e nas escolhas que ele teria feito.

Reuters: "Blue Bloods" tem um elenco grande, com atores como Bridget Moynahan, Len Cariou, Will Estes e Donnie Wahlberg. Qual é a sensação de estar novamente trabalhando com um elenco grande?

Tom Selleck: Esse tipo de trabalho em um seriado de TV é algo único para a experiência do ator. Os personagens crescem e mudam, os roteiristas escrevem semanalmente, e, quando você tem atores suficientemente bons para encarar esse tipo de evolução, esse é meu tipo favorito de TV. Na maioria dos nossos episódios, por volta do terceiro ato a família está à mesa do almoço de domingo. Fico sentado na cabeceira dessa mesa, maravilhado com esse grupo incrível de atores.

Reuters: Nova York tem um papel de destaque - quase como se fosse outro personagem.

Tom Selleck: Quando vi o roteiro pela primeira vez, desses roteiristas incríveis Mitchell Burgess e Robin Green ("The Sopranos"), senti que Nova York poderia ser um personagem central; as ruas, os bairros, coisas que não vemos com frequência em séries de TV.

Reuters: Se você não fosse ator, seria...

Tom Selleck: Marceneiro ou fabricante de móveis. A experiência do ator é quase uma abstração, e é algo que pode deixar você maluco. Se você é marceneiro e constrói uma cadeira, você pode sentar-se nela. Eu gostaria dessa mudança.

O bom de ser ator é que todas as coisas que eu quis ser quando era criança - caubói, jogador de beisebol profissional, bombeiro, policial - eu pude fazer por algum tempo como ator. Algum dia eu vou parar de atuar, ou por escolha minha ou porque o telefone vai parar de tocar. A primeira coisa que farei é montar minha oficina de marcenaria.

Reuters: Existe algum fundamento nos rumores sobre um filme "Magnum" ou uma sequência de "Três Solteirões e Um Bebê?"

Tom Selleck: Não me telefonaram, pediram meu conselho ou perguntaram se eu estava disponível para "Magnum", portanto não tenho certeza. Há um roteiro sendo desenvolvido para uma sequência de "Três Solteirões e Um Bebê" em que o bebê já cresceu. O critério para meu envolvimento ou o de Ted Danson e Steve Guttenberg seria que fosse escrita uma história boa. Não vamos querer roubar o brilho de um filme que foi tão bom para nós.

    Leia tudo sobre: Tom Selleck

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG