"The Book of Mormon" é o grande vencedor do Tony 2011

Polêmico musical, escrito pelos criadores de "South Park", venceu nove categorias no prêmio mais importante do teatro americano

EFE |

Getty Images
Equipe da peça "The Book of Mormon"
O irreverente musical "The Book of Mormon" ("Livro de Mórmon), que conta de forma bem-humorada a história de dois jovens mórmons que se tornam missionários em Uganda, foi o grande nome da 65ª edição do prestigioso prêmio Tony ao vencer na noite deste domingo em nove categorias, inclusive a de melhor musical.

Neil Patrick Harris, da série "How I Met Your Mother", foi o principal apresentador da noite e não deixou faltar piadas sobre os últimos escândalos ocorridos nos Estados Unidos, como a revelação de uma nova paternidade de Arnold Schwarzenegger e as fotos inapropriadas do congressista democrata Anthony Wiener divulgadas no Twitter.

"The Book of Mormon" aborda a expedição de dois otimistas missionários a um lugar devastado pela fome e pela Aids, tudo com melodias e coreografias típicas da Broadway. Por trás da obra, estão os criadores da satírica série de desenhos "South Park", Trey Parker e Matt Stone, e o compositor Robert López, autor do musical "Avenue Q", já consagrado no Tony.

O concorrente mais forte era "The Scottsboro Boys", musical sobre o caso real de nove adolescentes afro-americanos acusados injustamente de estuprar duas mulheres brancas nos anos 1930 no Alabama, que recebeu 12 indicações. Ambos disputavam a categoria de Melhor Musical com "Catch Me If You Can" e "Sister Act", produções bem-sucedidas baseadas respectivamente nos filmes "Prenda-me Se For Capaz" e "Mudança de Hábito".

Além da categoria mais cobiçada, "The Book of Mormon" venceu também os prêmios de Melhor Direção (Casey Nicholaw e Trey Parker), Melhor Libreto (Trey Parker, Robert Lopez e Matt Stone), Melhor Música (Trey Parker, Robert Lopez e Matt Stone), Melhor Atriz Coadjuvante (Nikki James), Melhor Orquestra (Larry Hochman e Stephen Oremus), Melhor Engenharia de Som (Brian Ronan), Melhor Cenografia (Scott Pask) e Melhor Iluminação (Brian MacDevitt).

"Anything Goes" levou os prêmios de Melhor Revival, Melhor Atriz (Sutton Foster) e Melhor Coreografia (Kathleen Marshall). Já o prêmio de Melhor Ator foi para Norbert Leo Butz, de "Catch Me If You Can", enquanto John Larroquette ("How to Succeed in Business Without Really Trying") recebeu o de Melhor Ator Coadjuvante.

Sucesso no cinema e no teatro, a comédia musical "Priscilla, a Rainha do Deserto" ganhou o Tony de Melhor Figurino, com os designers Tim Chappel e Lizzy Gardiner. Os trajes excêntricos das drag queens que atravessam o deserto australiano repetiram a façanha que o filme homônimo fez no Oscar de 1995.

Já nas categorias não-musicais, o prêmio de Melhor Peça foi para "War Horse", adaptação de Nick Stafford do romance homônimo publicado em 1982 pelo autor de contos infanto-juvenis Michael Morpugo, que fala sobre os laços entre um adolescente e seu cavalo. Essa história, ambientada na Primeira Guerra Mundial, levou também os prêmios de Melhor Direção (Marianne Elliott e Tom Morris), Melhor Desenho de Som (Christopher Shutt), Melhor Cenografia (Rae Smith) e Melhor Iluminação (Paule Constable).

No que diz respeito ao elenco, Frances McDormand ("Good People") ganhou o prêmio de Melhor Atriz, enquanto Mark Rylance ("Jerusalem") foi agraciado como Melhor Ator, desbancando inclusive o bem cotado Al Pacino, protagonista de "O Mercador de Veneza".

A emocionante "The Normal Heart", que aborda a expansão da Aids em Nova York nos anos 1980, também foi destaque no Tony 2011. Escrita por Larry Kramer, que a definiu como uma "autêntica obra de amor", a peça venceu nas categorias de Melhor Atriz Coadjuvante (Ellen Barkin), Melhor Ator Coadjuvante (John Benjamin Hickey) e Melhor Revival. Por fim, o prêmio de Melhor Figurino entre as peças não-musicais foi para "The Importance of Being Earnest" (Desmond Heeley), escrita em 1895 por Oscar Wilde.

O prêmio Tony, criado em 1947 e assim nomeado para homenagear a atriz Antoinette Perry, é considerado o mais importante da cena teatral americana, e equivale ao que o Oscar é para o cinema, o Grammy à música e o Emmy à televisão.

    Leia tudo sobre: book of mormontonymusicaltrey parkermatt stone

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG