Steampunk: um gênero que leva tecnologia futurista ao século 19

Conheça os principais representantes do subgênero da ficção científica que coloca computadores e robôs na Era Vitoriana

Guss de Lucca, iG São Paulo |

Imagine se o computador tivesse sido inventado em 1839, aproximadamente cem anos antes de sua real data de criação? Apesar de soar estranho, esse é um dos elementos presentes nas histórias de steampunk, o subgênero da ficção científica que brinca com a utilização de tecnologia futurista.

Divulgação
Os navios voadores da versão steampunk de "Os Três Mosqueteiros", personagens do autor Alexandre Dumas
Com tramas normalmente situadas na Era Vitoriana, período que compreende de 1837 até 1901, as histórias de steampunk brincam com o anacronismo tecnológico. Isso permite que a ciência disponível naquela época produzisse aparatos inventados um século mais tarde, como aviões e robôs, por exemplo.

Divulgação
Cadeira de rodas a vapor de Kenneth Branagh em "As Loucas Aventuras de James West"
A palavra steampunk é derivada de cyberpunk, só que substituindo o cyber, de cibernético, por steam, que em português significa "vapor". Isso reflete a maneira como a tecnologia ganha forma no gênero. Os computadores, por exemplo, são feitos de madeira, e aviões e automóveis funcionam à base de vapor, como as locomotivas.

Siga o iG Cultura no Twitter

Apesar de o termo ter surgido apenas nos anos 1980, a produção de histórias que se enquadram no universo steampunk é bem anterior. Autores como Júlio Verne, H.G. Wells e Mary Shelley são considerados precursores do gênero. Eles são os responsáveis por obras como "Viagem ao Centro da Terra", "A Máquina do Tempo" e "Frankenstein", ainda no século 19.

O cinema foi a primeira mídia a utilizar histórias do gênero. O clássico "Viagem à Lua", realizado por Georges Méliès em 1902, foi baseado nos romances "Da Terra à Lua", de Julio Verne, e "Os Primeiros Homens na Lua", de H. G. Wells.

Outra leva de filmes adaptou ou sofre influência de obras de steampunk, como "Robur, o Conquistador do Mundo", de 1961, e o francês "O Ladrão de Sonhos", de 1994.

Foi durante as décadas de 1960/70 que as histórias de steampunk atingiram o grande público, ao ganharem espaço em outras mídias. Um de seus principais difusores foi a série norte-americana "James West", que em 1999 foi adaptada ao cinema como "As Loucas Aventuras de James West". Ambientada no Velho Oeste, a produção brinca com traquitanas mecânicas nunca existentes no período (a adaptação utiliza uma aranha gigante de metal movida a vapor!).

Leia também: "Os Três Mosqueteiros" moderniza obra clássica em 3D

Na última década, produções de cinema que utilizam premissas steampunk têm surgido periodicamente. Entre os destaques, estão as adaptações das HQs homônimas "A Liga Extraordinária" (2003) e "Hellboy" (2004), a aventura "Van Helsing" (2004), o suspense "O Grande Truque" (2006) e a versão cinematográfica do romance "A Bússola de Ouro" (2007).

Divulgação
O carro futurista utulizado pelos personagens da aventura steampunk "A Liga Extraordinária", de 2003
Neste ano, além de "Sucker Punch - Mundo Surrreal" , filme que utiliza elementos do gênero em algumas de suas histórias, as salas de cinema recebem nesta quarta-feira (dia 12) "Os Três Mosqueteiros" , longa-metragem que atualiza os personagens criados por Alexandre Dumas com navios voadores, metralhadoras de canhões e lança-chamas.

    Leia tudo sobre: steampunkcinemaliteratura

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG