Samba de Erasmo em homenagem a Roberto Carlos segue na disputa da Beija-flor

Maestro do Rei, Eduardo Lages garante que o cantor vai dar palpites na escolha final

Claudio Marçal, especial para o iG |

nullForam onze sambas, alguns com torcida organizada e outros sem nenhuma pessoa torcendo. A última eliminatória da primeira fase que vai escolher o samba da Beija-flor para o Carnaval 2011 selecionou, na noite de quinta-feira (12), oito sambas e o composto por Erasmo Carlos, Paulo Sérgio Valle e Eduardo Lages, que foi cantado pela primeira vez na quadra da Beija-flor, se classificou para a próxima etapa.

Muito aguardado na quadra da Beija-Flor, o Tremendão não marcou presença, alegando compromissos profissionais. “Nós músicos brasileiros somos muito ligados em samba. Eu, o Erasmo e o Paulo decidimos fazer uma homenagem ao Roberto. Fiquei encantado hoje com o nível das composições apresentadas aqui”, disse Eduardo Lages, maestro que acompanha Roberto Carlos em seus shows há 32 anos. “Fiquei com medo de inventar muito neste samba e acabar virando a “A Complexidade do Rei”(risos). Fizemos o samba em outro andamento e na hora de cantar no ritmo certo, mais rápido, foi difícil. A gente tá velho”, brincou o músico ao falar do enredo “A Simplicidade de um Rei”.

Do outro lado, compositores da comunidade se mostravam felizes com a qualidade da competição. “É gratificante participar de um concurso onde eu estou competindo com o Erasmo Carlos e o Paulo Sérgio Valle. Melhor ainda se eu ganhar deles”, revelou Picolé da Beija-flor, co-autor do samba deste ano da escola e compositor de um dos 54 que estão na concorrendo para o próximo Carnaval. Antes de subir ao palco, os compositores rezam de mãos dadas, em uma corrente. Cada samba tem sua camisa, algumas com patrocínio de lojas de Nilópolis, e a maioria traz sua torcida organizada.

Divulgação
Eduardo Lajes e Neguinho da Beija-Flor durante a escolha do samba da escola de Nilópolis (Foto: Thyago Andrade)
No meio da escolha, uma pessoa tenta se manter imparcial, mesmo acompanhando tudo bem de perto. “O Erasmo está com um bonito samba e ele é um dos preferidos da escola, mas o termômetro sempre será a comunidade. Ela faz a diferença na escolha final. E eu, depois disso, ganho este samba de presente e tenho o prazer de cantá-lo na Sapucaí”, diz Neguinho da Beija-Flor, um pouco antes subir ao palco para abrir a noite.

Este ano foram criadas 91 parcerias para a disputa do samba que vai para a avenida em 2011, mas somente 54 foram inscritos. Em setembro, o samba que vai ajudar a contar a história do Rei será revelado também na quadra da Beija-flor, na finalíssima. “Ele vai e deve dar palpites. Até porque, se ele é Rei, vai querer isso. Se eu fosse Rei faria o mesmo”, concluiu Eduardo Lages.

    Leia tudo sobre: roberto carlossambabeija-florerasmo carlos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG