Entre as expressões tombadas pela Unesco estão o flamenco espanhol, a ópera de Pequim e o samba do recôncavo baiano

Espetáculo de dança flamenca, patrimônio imaterial da Espanha
Getty Images
Espetáculo de dança flamenca, patrimônio imaterial da Espanha
Basta pensar flamenco para lembrar Espanha. Ópera? Tem de ser a de Pequim. Ritmos, danças, estilos e performances musicais também estão entre os mais novos integrantes da lista dos Patrimônios Imateriais da Unesco. Fácil entender. Eles expressam uma nação. Ou não seria tão fácil - e óbvio - fazer tais associações. O flamenco é movimento de corpo, é olhar, é emoção. Batida forte. Do ritmo, dos pés, da palma da mão. Uma arte característica da região da Andaluzia, no sul da Espanha. Mas o país todo também sabe expressá-la.

A Espanha ainda tem outro representante nessas tradições ligadas à música e às artes do corpo: el canto de la Sibila, um canto gregoriano que se interpreta nas igrejas da ilha de Mallorca, principalmente em Palma de Mallorca, na véspera de Natal. Durante o evento, o cantor anda em direção à capela-mor carregando uma espada, enquanto os coroinhas seguram velas.

Tão tradicional quanto as manifestações espanholas é o carnaval da cidadezinha belga Aalst. Os festejos começam no domingo anterior à quaresma cristã, duram três dias e significam o fim de um ano de muito trabalho dos habitantes para preparar a exuberante e satírica celebração.

A Ópera de Pequim é um dos espetáculos mais aclamados do mundo. No palco, canto, dança, teatro, artes marciais. Os artistas atuam no dialeto local, devidamente fantasiados - cada cor representa o status social de um personagem da história. Embora praticado em todo o país, é tradicional de Pequim. A Índia também está na lista com rituais musicais. A dança Chhau, que encena episódios épicos - como o Mahabharata e o Ramayana -, folclores e temas abstratos. As músicas e danças da comunidade Kalbelia. E o Mudiyettu, drama de Kerala baseado em lendas mitológicas.

Entre os bens imateriais do Peru que passaram a integrar a lista está o baile de la tijera, típico de vilarejos dos Andes. A população comparece em massa aos festejos nas ruas - fantasiada e com tesouras nas mãos. Ocorre nos meses secos, coincidindo com as principais fases do calendário agrícola. O México eternizou a fiesta de los Parachicos, com três séculos de tradição na cidade Chiapa de Corzo. A apresentação inclui instrumentos como tambor e apito, além de máscaras. Já o patrimônio colombiano é a marimba, instrumento herdado dos africanos, encontrado nos departamentos de Valle del Cauca, Cauca e Nariño.

O Brasil tem dois Patrimônios Imateriais, declarados pela Unesco em 2008. O samba de roda do Recôncavo Baiano, tradição do século 17 que envolve música, dança e poesia, e as expressões oral e gráfica dos Wajapi, índios do norte da Amazônia que falam tupi-guarani.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.