'O Libertino' diverte com jogos de sedução e traições

Dirigida por Jô Soares, peça tem no elenco Cássio Scapin e Luiza Lemmertz

Dênis Victorazo, especial para o iG Cultura |

Divulgação
Luciana Carnieli e Cássio Scapin em cena
Você se cansou de ouvir falar em "BBB", estupro ou não estupro e quer diversão inteligente? Vá espiar as investidas amorosas de "O Libertino" no Teatro Cultura Artística Itaim, em São Paulo.

O libertino em questão é Denis Diderot, filósofo francês nascido em 1713. Considerado um dos precursores da Revolução Francesa, Diderot teve uma vida cheia de aventuras, foi padre, teólogo, largou a batina, foi preso várias vezes, escreveu diversas obras, entre elas uma enciclopédia e, no espetáculo dirigido por Jô Soares, revela-se uma espécie de Casanova, usando a inteligência para conquistar todas as mulheres que encontra.

Siga o iG Cultura no Twitter

Cássio Scapin interpreta o filósofo mulherengo que logo na primeira cena se deixa seduzir por uma pintora astuta que se aproveita da vaidade do escritor para convencê-lo a posar nu para seu retratado.

O encontro dos dois é interrompido, claro, pela esposa, Madame Diderot, que acordou disposta a por um fim nas traições do marido. Mas Diderot reage: "Faz vinte anos que eu te corneio e justo hoje você me solta esse disparate?" O disparate é imaginar que Diderot algum dia possa ser fiel.

Divulgação
Luciana Carnieli e Cássio Scapin em cena
Esse é apenas o ponto de partida dessa obra cheia de jogos de sedução, mal entendidos e traições para lá de elegantes.

O texto do escritor e também filósofo Eric-Emmanuel Schmitt é repleto de frases mordazes e terríveis, que adoraríamos ter dito alguma vez na vida para terminar aquele relacionamento complicado.

O cenário é bonito e funcional, e os figurinos de Fábio Namatame são sensuais na medida certa.

O elenco está impecável (se bem que esse não seja o adjetivo adequado para uma trama como essa), desde o carismático e preciso Cássio Scapin até a jovem Luiza Lemmertz, filha de Júlia Lemmertz, tão linda que poderia ser modelo, mas com o talento teatral que veio de duas gerações anteriores; passando pela sempre perfeita e deliciosa Tânia Casttello no papel da Madame Diderot, a elegante e talentosa Luciana Carnieli, além da impagável Erica Montanheiro e o divertido Daniel Warren.

O espetáculo não seria tão bom se a direção de Jô Soares não fosse tão adequada a esse tipo de comédia, leve como uma pluma.

O Libertino
Teatro Cultura Artística Itaim (av. Presidente Juscelino Kubitschek, 1.830, São Paulo, tel. 11-3258-3344)
Quinta e sábado , às 21h; sexta , às 21h30; domingo , às 18h; em cartaz até 1º de abril
Ingressos: R$ 40 (quinta); R$ 50 (sexta e domingo); R$ 60 (sábado)
Classificação: 16 anos

    Leia tudo sobre: O Libertino

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG