Vídeo de Jackson falando sobre abuso é publicado

Imagens foram divulgadas pelo tabloide sensacionalista News of the World

EFE |

O jornal sensacionalista britânico "News of the World" publicou na internet um vídeo inédito no qual o cantor Michael Jackson aparece tentando se defender das acusações de abuso de menores.

O vídeo mostra o "rei do pop" rindo nervosamente, cobrindo o rosto para expressar sua incredulidade ou protestando irritado frente aos advogados da acusação que o interrogaram em 1996, quando o cantor foi denunciado por vários funcionários do rancho Neverland.

No vídeo, Michael insiste em que não é homossexual, qualifica de mentirosos os que o acusam de abuso sexual de menores e cita Jesus para defender o fato de ter dormido na mesma cama com alguns dos jovens visitantes de seu rancho.

"Jesus dizia que era preciso amar as crianças e ser como crianças para ser jovens e inocentes, puros e honrados", afirma o cantor, enquanto lê um documento escrito por ele mesmo.

Segundo Michael, "(Jesus) sempre queria se cercar de crianças. Isso é o que me ensinaram a crer, a ser assim e a imitar".

O vídeo, de três horas, foi feito em 1996, três anos depois de Michael ser acusado pela primeira vez de ter abusado sexualmente de J. Chandler, de 13 anos, que teria recebido US$ 22 milhões para que não testemunhasse contra o cantor, diz o jornal.

Nove anos depois, Michael foi acusado de novo de abuso, contra G. Arvizo, jovem com câncer de 13 anos, em um julgamento no qual o promotor acusou o cantor também de outros abusos de menores.

Um dos argumentos contra o cantor apresentados pelo advogado Michael Ring foi que Michael, que tinha então 37 anos, tinha ameaçado os empregados de seu rancho, que disseram que viram o cantor se comportar de forma indecente em relação aos pequenos visitantes.

Quando, no vídeo, o advogado pergunta ao cantor se sabia que Chandler ou sua família, em nome dele, apresentaram um processo contra ele, Michael responde afirmativamente.

O cantor se mostra nervoso o tempo todo, coça o pescoço, o peito e a cabeça e, diante das acusações de seus empregados, diz que, embora tenha ouvido os nomes destes, não sabe quais eram suas tarefas.

Em um momento determinado, Ring lhe pergunta se foi acusado alguma vez de abuso sexual de B. Barnes, uma criança australiana de 11 anos que compartilhou o mesmo quarto com o cantor durante até um ano, segundo o testemunho da irmã do menino.

Claramente irritado com essa pergunta, Michael fecha os olhos e cobre o rosto por um momento, antes de sorrir e negar com a cabeça.

Em outro momento, o advogado se refere outro menor, o ator mirim Macaulay Culkin, e pergunta ao cantor se alguma vez o acusaram de ter abusado sexualmente da criança.

Mais uma vez, Michael leva as mãos à cabeça em gesto de frustração, enquanto seu advogado sai rapidamente em sua defesa do cantor e diz que não deve responder a essa pergunta.

Michael nega também que tenha embranquecido a pele, algo que qualifica de "rumor", ou que seja "gay".

No mesmo jornal, Adrian McManus, ex-governanta de Michael, denuncia que o cantor costumava se trancar com as crianças em seu quarto e lhes dava bebidas álcoolicas, antes de abusar delas.

"Michael fotografava e filmava as crianças nuas e colocava depois as fotos em murais", diz McManus, que diz ter visto o cantor abusar sexualmente de J. Chandler.

    Leia tudo sobre: michael jackson

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG