Sting diz que não acredita no "boicote cultural"

Músico está no Chile para se apresentar em festival

EFE |

Divulgação
Sting
O músico Sting afirmou nesta sexta-feira, em relação aos shows que fez em países de "questionável" respeito aos direitos humanos, que não acredita no "boicote cultural" porque sem a troca de ideias e de músicas "os países ficam mais paranoicos e repressivos".

"Quando vim ao Chile (em 1982), muita gente me disse que eu não deveria. No entanto, graças a isso fiquei amigo de muita gente, e foi possível contar o que estava passando aqui através das minhas canções", disse o músico britânico em entrevista coletiva prévia à sua participação nesta sexta-feira no 52º Festival de Viña del Mar.

Sting, que participou pela primeira vez do festival durante a ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990), contestou desta forma uma pergunta sobre um show que ofereceu no ano passado no Uzbequistão. "Não acredito no boicote cultural", ressaltou o artista, cujo verdadeiro nome é Gordon Matthew Sumner. E acrescentou: "Acredito no poder da música". Para o britânico a única vez que o embargo cultural teve sucesso foi durante uma situação histórica "muito específica, o apartheid sul-africano".

    Leia tudo sobre: Sting

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG