Shows, exposição e reedições marcam aniversário da morte de Elis Regina

Cantora será homenageada com espetáculo de sua filha Maria Rita e lançamento de gravações inéditas

Augusto Gomes, iG São Paulo |

Augusto Gomes
Maria Rita em show em São Paulo
Os 30 da morte de Elis Regina serão relembrados ao longo de 2012. Em março, sua filha Maria Rita inicia a série de shows "Viva Elis", em que ela vai interpretar pela primeira vez canções do repertório da mãe.

A primeira apresentação acontecerá no dia 17/03, no parque do Ibirapuera, em São Paulo. Depois, haverá performances em Porto Alegre, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Recife, todos com entrada gratuita.

Ouça músicas de Elis Regina

"Viva Elis" também será o nome de uma exposição multimídia sobre a cantora. Sua trajetória será contada através de vídeos (depoimentos, trechos de shows e entrevistas), músicas, fotografias e documentos.

Um documentário também fará parte da mostra, organizada por João Marcello Bôscoli, filho mais velho de Elis. A primeira cidade a receber a exposição, em abril, será São Paulo.

Siga o iG Cultura no Twitter

Divulgação
Capa do disco "Um Dia"
Uma série de reedições também marcará os 30 anos sem Elis. A primeira é o CD duplo "Um Dia", lançado neste mês e que traz as duas apresentações que a cantora fez no Festival de Montreux, em 1979. Nove músicas já haviam sido lançadas em disco em 1982 (a reedição em CD de 2001 agregou mais seis faixas bônus), mas o registro integral dos dois shows permanecia inédita. As performances totalizam 27 músicas, incluindo três com participação de Hermeto Paschoal.

"O material estava com a gravadora Warner. A qualidade do material é ótima, similar a do lançamento original", conta João Marcello Bôscoli ao iG . Os dois shows (um gravado na tarde e outro na noite de 20 de julho de 1979) também foram gravados em vídeo.

Mas, por enquanto, não há planos de lançar o material em DVD. "Depende do desejo da Warner. Até onde sei, basta negociar com o fundador e manager do Festival de Montreux, Claude Nobs, grande fã de Elis Regina".

No segundo semestre, também chega às lojas outro espetáculo na íntegra. Trata-se do show "Tranversal do Tempo", de 1978. Assim como aconteceu com as performances em Montreux, essa apresentação já havia saído em disco, mas numa versão editada. "Na época, era ideia da Elis lançá-lo como um disco duplo. Mas, por razões mercadológicas, acabou saindo no formato simples", explica João Marcello.

O baú de Elis pode render ainda mais lançamentos. "Temos planos de lançar os especiais na Globo, como fizemos uma vez pela Trama com 'Elis Regina Carvalho Costa', dirigido por Daniel Filho", revela o filho da cantora. Existem ainda gravações para TVs na Alemanha, Suíça, França e Portugal. "Como ela nunca fazia playback, cada apresentação é um show ao vivo emocionante e tecnicamente irretocável."

Além desses dois discos, outro relançamento turbinado é o da biografia "Furacão Elis", de Regina Echeverria. Publicado pela primeira vez em 1985, apenas três anos após a morte da Elis, o livro ganha mais uma reedição, dessa vez pela Editora Leya. Segundo a autora, a edição foi revisada e ainda inclui uma nova entrevista, com Paulo César Pinheiro, letrista de músicas famosas na voz de Elis, como "Vou Deitar e Rolar" e "Cai Dentro".

    Leia tudo sobre: Elis Reginamúsica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG