Show em São Paulo retrata decadência de Axl Rose

Banda se apresentou neste sábado no Parque Antártica

Augusto Gomes, iG São Paulo |

Até os anos 90, costumava-se dizer que apenas bandas em fim de carreira se apresentavam no Brasil. Vir ao país seria coisa de artista em decadência, que não tinha mais público na Europa e na América do Norte. Verdadeira ou não, a afirmação logo vem à mente diante de shows como os do Guns N' Roses no Parque Antártica, em São Paulo, na noite deste sábado.

Fotoshow: veja imagens do show do Guns N' Roses em São Paulo

Decadente é o adjetivo que melhor define Axl Rose, líder do grupo. No início da apresentação, ele até conseguiu manter alguma dignidade. Mas, à medida que o show se desenrolava, ele foi perdendo o fôlego, ficando vermelho e cantando cada vez pior. Tinha que passar longos minutos no fundo do palco, enquanto o resto da banda fazia solos intermináveis.

O público, é verdade, não se preocupou muito com isso. Estava lá para ver o ídolo de perto (ou de longe, no caso de quem não estava na área vip em frente ao palco) e ouvir "Sweet Child o' Mine" e afins. Aceitou a má forma de Axl da mesma forma que aceitou o fato de uma banda com apenas um integrante de sua formação original ainda se chamar Guns N' Roses.

Axl começou a apresentação deixando o público tenso. Atingido por uma garrafa d'água logo na primeira música da noite, "Chinese Democracy", ele ameaçou deixar o palco. "Apareça, seu covarde", berrou para o público. "Você quer ser responsável pelo fim do show? Para mim não é problema nenhum ir embora", afirmou.

Em seu discurso, sobrou até para os donos da boate Disco, onde o grupo deveria ter tocado na última quinta-feira. O show foi cancelado sem maiores explicações. "Não precisamos de mais maricas (uma tradução educada para o termo 'pussies', usado por Axl) como os daquele clube da noite passada", disse, antes de voltar a cantar.

Após esse confrontamento inicial, o humor do cantor melhorou bastante. Até porque o público passou a atirar flores no palco, que foram recebidas com sorrisos pelo vocalista. No momento mais paz e amor da noite, Axl até pediu (com tradução da modelo Ellen Jabour) que o público se afastasse um pouco do palco, porque as pessoas da frente estavam apertadas demais.

A simpatia não foi suficiente para desculpar um show tão ruim. Além da má forma de Axl, o principal problema foi o excesso de músicas do álbum Chinese Democracy . Lançado em 2008, após uma década sendo produzido ao custo de mais de dez milhões de dólares, o disco é muito ruim. Suas músicas desanimaram até os fãs mais dedicados presentes no Parque Antártica.

A banda de Axl ainda toca neste domingo na Praça da Apoteose, no Rio de Janeiro. Na terça-feira, encerra sua turnê pelo Brasil com um show em Porto Alegre. Veja abaixo o set list da performance em São Paulo:

"Chinese Democracy"
"Welcome to the Jungle"
"It's So Easy"
"Mr. Brownstone"
"Sorry"
"Better"
"Live and Let Die"
"If the World"
"Rocket Queen"
"My Michelle"
"Street of Dreams"
"IRS"
"Sweet Child o' Mine"
"You Could Be Mine"
"Another Brick in the Wall"
"November Rain"
"Knocking on Heaven's Door"
"Nightrain"

Bis

"Madagascar"
"Shackler's Revenge"
"This I love"
"Patience"
"Paradise City"

Guns n' Roses no Rio de Janeiro

Local: Praça da Apoteose - R. Marques de Sapucaí , s/nº - Centro - Rio de Janeiro - RJ
14 de março, às 20h30
Telefones para informações: 4003-0848

Preços

Pista/arquibancada: R$ 180
Pista premium: R$ 350

Guns n' Roses em Porto Alegre

Local: Estacionamento da Fiergs - Av. Assis Brasil, 8787, Bairro Sarandi - Porto Alegre - RS
16 de março, às 21h
Telefones para informações: 4003-0848

Preços

Pista premium: R$ 280
Pista: R$ 150
Cadeira: R$ 180
Arquibacada: R$ 130

    Leia tudo sobre: guns n roses

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG