RPM encerra Virada Cultural com show cheio de nostalgia

Banda relembrou sucessos dos anos 80 e homenageou Renato Russo e Cazuza

Tiago Agostini, especial para o iG |

AE
Paulo Ricardo, vocalista do RPM, que tocou na Praça Julio Prestes neste domingo
A nostalgia imperou na Praça Júlio Prestes durante o show de encerramento da Virada Cultural, com a banda RPM. Juntos de novo para lançar um disco nove anos após seu último o MTV Ao Vivo (2002), a banda fez o show de retorno neste domingo homenageando contemporâneos dos anos 80 como Renato Russo e Cazuza.

Com quase meia-hora de atraso, Paulo Ricardo (baixo e voz), Fernando Deluqui (guitarra), Luiz Schiavon (teclados) e PA (bateria) entraram ao palco cheios de marra. Os gritos histéricos nas primeiras filas mostravam que o vocalista, vestido com uma jaqueta preta e óculos escuros, ainda é saudado com um sex symbol.

A banda começou o set com "Vida Real", a famosa música de abertura do Big Brother Brasil. Logo depois, tocaram "Rainha" e uma música inédita, que estará no disco a ser lançado em maio. "Crepúsculo", a nova, faz uma lamentável mistura de rock com eletrônica que em momento algum empolga. Sem tocar baixo, Paulo Ricardo anda de um lado ao outro do palco batendo palmas, mas a plateia não responde.

Se o que o público quer são os clássicos, o RPM atacou logo de "Loiras Geladas", dedicada à noite de São Paulo. Seguiram-se as homenagens, primeiro a Renato Russo com "A Cruz e a Espada" (que o cantor da Legião gravou em um dueto com Paulo Ricardo) e "Exagerado", canção emblemática de Cazuza regravada pelo RPM.

Logo depois foi a hora do momento isqueiros (ou celulares) acesos. Paulo Ricardo, PA e Deluqui saem do palco e Schiavon começa a introdução de "London, London", levada apenas pelo teclado. O microfone falha no começo da letra e Paulo Ricardo entra só lá pelo terceiro verso, já ao lado do tecladista, que recebe um abraço do colega. Cheio de mímicas, o cantor comanda o balançar dos braços da plateia.

Os grandes hits dos anos 80 ficaram guardados para o final. Primeiro "Revoluções Por Minuto" e "Alvorada Voraz", que chegaram antes de uma longuíssima versão de Rádio Pirata, com direito a citação de The Doors ("Light My Fire"), Rolling Stones ("You Can't Always Get What You Want"), Beatles ("All You Need Is Love") e Kings Of Leon ("Use Somebody").

Quando boa parte do público já caminhava pela avenida Duque de Caxias, o RPM atacou uma derradeira "Olhar 43", suficiente para conter boa parte do público por mais alguns minutos prestando atenção ao show, mesmo que os telões espalhados longe do palco já não funcionassem. Fim de festa.

    Leia tudo sobre: virada cultural 2011rpm

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG