Roberto Carlos ensaia canções em hebraico para show em Jerusalém

Em entrevista, cantor fala sobre disco de inéditas e diz que deve voltar a cantar "Quero que Tudo Vá para o Inferno" em breve

Augusto Gomes, enviado especial a Jerusalém |

O show que Roberto Carlos fará em Jerusalém na semana que vem terá músicas em diversas línguas. Além do português, haverá canções em inglês, italiano e espanhol. E, talvez, também em hebraico. "Estamos ensaiando", revelou o cantor em entrevista coletiva realizada nesta quinta-feira. No entanto, isso só vai acontecer se ele estiver totalmente seguro de se sair bem na língua. "Não quero cantar olhando no teleprompter", riu.

Augusto Gomes/iG
Roberto Carlos entre as bandeiras do Brasil e Israel: de "coração aberto" na cidade
Também não faltarão no show canções de temática religiosa. "Jesus Cristo" e "A Montanha", por exemplo, são presença certa. Já "Nossa Senhora" ficará de fora. "Vou cantar 'Ave Maria' no lugar", explicou. "Quero que Tudo Vá para o Inferno", que Roberto não interpreta há décadas por conta da carga negativa da palavra 'inferno', também não entrará. "Ainda não estou pronto para voltar a cantar essa música. Mas em breve estarei", revelou.

Siga o iG Cultura no Twitter

O show do Rei em Jerusalém acontece no dia 07 de setembro, num espaço chamado Brechat Hasultan (em português, Piscina do Sultão), localizado ao lado da muralha da Cidade Velha. A apresentação será filmada pelo diretor Jayme Monjardim e vai virar um especial que será exibido na TV Globo no dia 10. Além das imagens da apresentação, o programa terá cenas do cantor visitando vários pontos de Jerusalém.

Divulgação
Roberto Carlos no encontro com o presidente israelense, Shimon Peres
Não é a primeira vez que Roberto Carlos grava na cidade. Em 1968, cenas de "O Diamante Cor-de-Rosa", longa estrelado por ele ao lado de Erasmo Carlos e Wanderléa, foram filmadas em Jerusalém. "Na época, mal tive tempo de conhecer a cidade. Foram apenas quatro dias, e as filmagens levavam o dia inteiro", lembra. Dessa vez, ele quer aproveitar para conhecer locais como o Muro das Lamentações e a Igreja do Santo Sepulcro.

Por enquanto, ainda não deu tempo. Roberto Carlos chegou a Jerusalém na quarta-feira e, cansado por causa das 14 horas de voo, ficou no hotel. Na manhã dessa quinta, ele teve um compromisso oficial: encontrou o presidente de Israel, Shimon Peres. O cantor confessa que estava nervoso ("Não podia deixar de estar, afinal o homem é um Nobel da Paz"), mas o encontro foi descontraído. Tanto que Roberto até cantou um trecho de "Emoções" para Peres.

Segundo o cantor, a ideia de se apresentar em Israel foi de seu empresário, Dody Sirena. "Essa loucura partiu dele", riu. A cidade está cheia de cartazes anunciando o show. É que, dos mais de 5 mil ingressos colocados à venda, apenas 1,5 mil são para os brasileiros que compraram pacotes turísticos para Jerusalém que incluem a apresentação. Os demais são destinados ao público local. Até esta quinta, ainda havia cerca de 1,5 mil entradas disponíveis.

Augusto Gomes/iG
Cartazes do show de Roberto Carlos em volta da muralha da cidade velha, em Jerusalém
O show, além de virar um especial da TV Globo, também será lançado em DVD. Com isso, o tão aguardado novo álbum de inéditas de Roberto Carlos foi adiado mais uma vez. "Eu já fico até sem graça em falar nesse disco", ri. Seu último CD de material inédito saiu em 2005. "Quase todas as músicas estão prontas. Mas aí o Dody sempre aparece com um projeto novo e o disco fica para depois. A culpa é dele."

Augusto Gomes/iG
Adiado, novo disco de inéditas tem parcerias com Erasmo Carlos
Entre essas músicas já prontas, há tanto canções que Roberto fez sozinho como parcerias com Erasmo Carlos . "O Erasmo é craquérrimo", elogia o cantor. Ele conta também que gostou muito do disco mais recente do parceiro, "Sexo". "E também está bem assanhadinho", brinca, referindo-se à temática do álbum, todo composto de músicas sobre, como o próprio título indica, sexo.

Na entrevista, Roberto ainda fez alguns comentários sobre sua vida pessoal. Reconheceu que o último ano foi bastante difícil, por causa da morte de sua mãe e de sua enteada. "É tudo muito sofrido. Mas a gente tem que seguir adiante", afirmou. Quando perguntado se aproveitaria a passagem pela Terra Santa para pedir um novo amor, ele se esquivou. "Não pensei nisso", disse. Mas depois declarou que seu coração "está aberto".

A conversa terminou com algumas observações sobre o governo Dilma Roussef. O cantor fez uma avaliação positiva da presidenta. "Ela está indo bem. Mas ainda tem que lutar muito, tem que ser muito forte."

* o repórtor viajou a convite da produção do show

    Leia tudo sobre: roberto carlosisraeljerusalém

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG