Roberto Carlos: muito além da música, cantor vira marca de sucesso

Ídolo empresta imagem a edifícios, cartões de crédito e panetone e comercializa shows com pacotes de viagem

Augusto Gomes, iG São Paulo | 30/08/2011 14:08

Texto:
enviar por e-mail
* campos são obrigatórios
corrigir
* campos obrigatórios

Credibilidade e solidez. Essas são algumas das características que fazem de Roberto Carlos uma das marcas mais valiosas do Brasil. Sim, marcas. Afinal, o cantor empresta sua figura a cartões de crédito e empreendimentos imobiliários. "Se uma empresa precisa construir uma boa imagem, se associar a ele já é 80% do trabalho", afirma Julio Moreira, professor de gestão de marcas da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM).

Foto: AgNews

Roberto Carlos em show no cruzeiro Emoções em Alto Mar

É o caso da Credicard. Em abril, a operadora lançou o cartão de crédito Emoções. O produto traz a imagem de Roberto Carlos e oferece vantagens como pré-venda para shows (incluindo eventos como o "Emoções na Terra Santa") e participação em promoções. "Já temos 100 mil cartões e o compromisso de atingir 250 mil no primeiro ano", diz Cintia Yamamoto, superintendente de marketing da Citi Brasil.

Nos próximos cinco anos, a meta é ainda mais ambiciosa. "Queremos chegar a um milhão de amigos", afirma Cintia, referindo-se a uma das composições mais famosas do Rei, "Eu Quero Apenas". O contrato com o cantor tem a duração de dez anos. "Ele é popular em todas as idades e classes sociais", justifica. É o primeiro artista a ganhar um cartão da Credicard. "E dificilmente faremos com outro", diz.

A Credicard é uma das patrocinadoras do show que ele faz em 7 de setembro em Jerusalém. O show é organizado pela Amizade Empreendimentos, empresa que o cantor fundou em 2005 para organizar o "Emoções em Alto Mar", um cruzeiro pela costa brasileira que tem como principal atrativo um show do Rei.

O empreendimento foi um sucesso tão grande que foi preciso trocar o navio das primeiras edições: de 2,2 mil pessoas para um com capacidade para 3,5 mil. A próxima viagem será em fevereiro de 2012.

A "Roberto Carlos tour" organiza a excursão de 1,5 mil fãs do cantor a Jerusalém. Os preços vão de US$ 3,4 mil (R$ 5,4 mil) a US$ 14,2 mil (R$ 22,6 mil) - os pacotes incluem, além do show, passagem aérea, hospedagem e visitas a pontos turísticos como Belém, Mar Morto, Galileia e a própria Jerusalém

Além da Citi Brasil, outro patrocionador do "Emoções na Terra Santa" é a Nestlé, com quem o cantor faz ações há alguns anos (um panetone comemorativo de seus 50 anos de carreira foi lançado em 2009, por exemplo). A escolha dessas duas empresas reflete bem a estratégia da marca Roberto Carlos. "Ele só se relaciona com empresas grandes", explica Julio Moreira.

A escolha, segundo Julio, é uma forma de preservar a figura do artista. "Imagine se há um problema com algum produto que ele fez propaganda. A imagem dele é danificada", explica. Na opinião do professor, outra estratégia correta é ser discreto. "O Roberto Carlos já é um artista muito presente na mídia, principalmente no final do ano. Se ele aparecer ainda mais em publicidade, as pessoas podem se cansar", afirma.

É justamente para resguardar sua imagem que Roberto Carlos aparece pouco em seu novo empreendimento, o edifício "Horizonte JK", em São Paulo. "Ele não é um garoto propaganda. Você não vai vê-lo na televisão vendendo escritórios e apartamentos", diz Jaime Sirena, sócio do cantor na Incorporadora Emoções. "A imagem dele aparece em detalhes, como o tom azul do prédio", explica.

Roberto tem 30% da incorporadora. "Ele sempre disse que, se não fosse cantor, queria ser arquiteto", diz Jaime, que é irmão de Dody Sirena, empresário do cantor. O "Horizonte JK" é o primeiro lançamento da empresa. A entrega deve acontecer em 36 meses. "O valor geral de venda é de aproximadamente R$ 300 milhões", conta Jaime. No total, são 80 unidades comerciais e 266 residenciais. "Já vendemos 60% das unidades."

Qual é a responsabilidade de Roberto Carlos por esse resultado? Segundo Julio Moreira, é impossível saber com certeza. "Não dá para medir o impacto da imagem dele sem um estudo específico", explica. "Mesmo assim, eu acredito que a figura do Roberto Carlos aumente as vendas de um produto em até 50%. É um investimento que certamente vale a pena para a marca."

Show de Roberto Carlos em Jerusalém será filmado em 3D

Texto:
enviar por e-mail
* campos são obrigatórios
corrigir
* campos obrigatórios

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG


Ver de novo