Ringo Starr conquista cariocas de diferentes idades

Ex-baterista dos Beatles canta a metade das 21 músicas do show e abre espaço para sua invocada banda

Valmir Morattelli, iG Rio de Janeiro |

AE
Ringo Starr no Rio de Janeiro
Enquanto Britney Spears se apresentava no outro canto da cidade para um público majoritariamente adolescente, Ringo Starr conquistou os cariocas em uma casa de shows na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, evocando acordes de invocadas guitarras e o som de sua histórica bateria.

O ex-baterista dos Beatles começou sua apresentação com a habitual pontualidade britânica, às 21h30, com “It don’t come easy”. Espirituoso e bem humorado, pede para que todos levantem as mãos e brinca dizendo que cinco não o obedeceram. Alguém grita “I love you” e ele agradece rindo.

Junto com Ringo há outros sete no palco. A “All Star Band” é composta por Wally Pallmar, (guitarrista, ex-integrante dos The Romantics), Gary Wright (tecladista, ex-integrante do Spooky Tooth), Richard Page (baixista, ex-Mr. Mister), Mark Rivera (saxofone e percussão), Gregg Bissonette (bateria), Rick Derringer (ex-guitarrista do The McCoys) e o multi-instrumentista Edgar Winter – que no meio da apresentação comanda um solo com “Frankestein”, repleto de sons experimentais, que arrebata o público.

Banda democrática

Há pinceladas de clássicos dos Beatles no set list (o mesmo que apresentou no show em Porto Alegre e em São Paulo). Após cantar “Choose love”, terceira do show, Ringo volta a se aplaudido efusivamente pelos beatlemaníacos na sétima música. É a vez de “I wanna be your man”. Entre uma letra e outra, ele dá generoso espaço para que seus companheiros de palco mostrem a que vieram. Derringer, por exemplo, canta “Hang on Sloop”. Palmar canta “Talking in or sleep”.

Em maio outro ex-beattle, Paul McCartney , tocou na cidade. Por isso mesmo as comparações são inevitáveis. Paul também é acompanhado por excelentes músicos. Mas os que integram a performance de Ringo têm, cada um em seu momento, um número para brilhar. Tudo de forma democrática. Paul é mais apoteótico, Ringo um tanto minimalista. A começar pelo cenário: apenas um painel de flores e uma gigantesca estrela no centro. Nada mais.

Leia também: Em Porto Alegre, Ringo mostra ser convidado ilustre da All-Starr Band

Em compensação, é permeado por solos de sua bela banda. Gary Wright, antes de cantar “Dream Weaver”, se arrisca com o português. “Boa noite, Rio. Tudo bem? Bonita cidade, pessoas maravilhosas”. Rick Derringer, que vem em seguida para cantar “Kyrie”, fica no inglês. “É uma honra tocar nesta cidade incrível. E honra maior ainda por estar ao lado desta estrela que é Ringo Starr”. Os aplausos confirmam que Derringer tem quem o apoie.

A maioria das canções não é seguida pelo público – o repertório não é linear e bem pouco familiar aos que não seguem a carreira de Ringo. Isso faz com que a temperatura do show se alterne o tempo todo. Entre altos e baixos, o pique só é mantido graças a sua simpatia de “menino de Liverpool” e à competência de seus músicos-cantores.

AE
Ringo Starr
“Yellow Submarine”

Os gritos de “I love you” continuam. Ringo segue mostrando seu bom humor. Comenta que não para de ouvir a frase vinda da primeira fila colada à grade, rente ao palco. “Uma menina não cansa de dizer isso. O rapaz ao seu lado também. Tudo bem, não tem problema”, diverte-se ele.

Das 21 músicas apresentadas, Ringo canta onze. Na maioria das demais, fica na bateria. Apesar de pouco compor, “It don't Come Easy” e “Photograph”estão entre algumas das composições mais populares de Ringo, já na carreira solo após o fim dos Beatles. O ponto alto, inegavelmente, é quando ele canta “Yellow Submarine”. Neste momento, uma chuva de balões amarelos cai no público, que o acompanha verso a verso. É possivel ver algumas pessoas chorarem.

Iguais lágrimas seriam vistas mais tarde, com o encerramento ao som de “With A Little Help From My Friends”, outro grande momento da noite. Senhoras, sessentões e até adolescentes, os que não se debandaram para a saltitante Britney no outro lado da cidade, sentem as emoções que só um Beatle é capaz de proporcionar.

Após Porto Alegre, São Paulo e Rio, a turnê segue para Belo Horizonte, na quarta-feira (16), no Chevrolet Hall; Brasília, sexta (18), no Ginásio Centro de Convenções Ulysses Guimarães; e Recife, domingo (20), no Chevrolet Hall.

Veja a lista de músicas do show no Rio de Janeiro:

"It Don’t Come Easy"
"Honey Don’t"
"Choose Love"
"Hang On Sloopy" (Rick Derringer)
"Free Ride" (Edgar Winter)
"Talking in Your Sleep" (Wally Palmar)
"I Wanna Be Your Man"
"Dream Weaver" (Gary Wright)
"Kyrie" (Richard Page)
"The Other Side of Liverpool"
"Yellow Submarine"
"Frankenstein" (Edgar Winter)
"Back off Boogaloo"
"What I Like About You" (Wally Palmar)
"Rock & roll, Hoochie Koo" (Rick Derringer)
"Boys"
"Love Is Alive" (Garry Wright)
"Broken Wings" (Richard Page)
"Photograph"
"Act Naturally"
"With A Little Help From My Friends" / "Give Peace a Chance"

    Leia tudo sobre: Ringo Starr

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG