Resultado da necropsia de Jackson sai esta semana

A ABC News indicou nesta terça que os legistas descobriram um coquetel letal de medicamentos

AFP |

Os exames toxicológicos que determinarão o que provocou a morte de Michael Jackson serão divulgados nesta semana, informaram fontes ligadas à investigação, em meio a informações da imprensa americana de que o médico pessoal do rei do pop teria aplicado em seu paciente uma dose letal de um potente anestésico.

O departamento forense da polícia de Los Angeles confirmou que os resultados dos testes realizados no corpo de Jackson em 26 de junho serão divulgados no final da semana.

A ABC News indicou nesta terça que os legistas descobriram um coquetel letal de medicamentos sob prescrição controlada no corpo de Jackson, incluindo os potentes calmantes OxyContin e Demerol.

A revelação foi feita um dia depois de a CNN informar que a polícia de Los Angeles concluiu que Conrad Murray, o último médico de Michael Jackson, administrou no astro pop um forte analgésico, o que teria provocado sua morte.

Desde a morte de Jackson, aos 50 anos, no dia 25 de junho passado, em Los Angeles, o doutor Conrad Murray é o centro da investigação, já que no local do falecimento foram encontrados frascos de propofol, um potente analgésico.

O propofol é uma droga utilizada nos hospitais para anestesiar pacientes antes de intervenções cirúrgicas e, segundo os especialistas, só pode ser administrado por um anestesista, o que tornou sua presença na casa de Jackson a base da investigação.

Os advogados de Murray, que insistem em sua inocência, emitiram um comunicado pedindo calma nessa onda de especulações.

"É uma perda de tempo responder a todos esses vazamentos de fontes anônimas", indicou Ed Chernoff. "Todos precisam respirar fundo e esperar pelos resultados toxicológicos", acrescentou.

Murray é exatamente o médico que estava ao lado de Jackson quando o rei do pop morreu, de parada cardíaca, na mansão que alugava em Los Angeles.

Na quarta-feira passada, a polícia revistou a clínica de Murray em Houston (Texas) e retirou do local vários documentos e o disco rígido de um dos computadores, com o histórico de pacientes.

Murray está atualmente em Las Vegas, impedido de trabalhar devido às suspeitas que pesam sobre ele desde a morte de Jackson.

Um mês depois da morte do cantor de "Thriller", as autoridades realizam uma investigação que se centraliza numa suposta dependência da parte de Jackson por calmantes fortes.

Os investigadores estão estudando de perto o papel de pelo menos cinco médicos que passaram receitas para Michael Jackson.

Familiares de Jackson acusam seus médicos de terem provocado a morte do artista receitando medicamentos dos quais ele abusava.

    Leia tudo sobre: michael jacksonmichael jackson morte

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG