Renato Russo completaria 50 anos neste sábado

Álbum e livro homenageiam cantor

Augusto Gomes, iG São Paulo |

Se estivesse vivo, Renato Russo completaria 50 anos no último sábado (27). Para marcar o aniversário do líder da Legião Urbana, morto em 1996 vítima de complicações decorrentes da Aids, uma série de lançamentos foi programada. O principal deles é o álbum Duetos , que traz o cantor interpretando quinze faixas ao lado de nomes como Marisa Monte, Cássia Eller e Caetano Veloso. Seis desses duetos são póstumos. Eles foram gravados em novembro de 2009, juntando a voz de Renato com as de outros intérpretes.

Entre eles, está a primeira música de trabalho do disco, "Like a Lover", com participação de Fernanda Takai. Os demais duetos póstumos são "Change Partners", com Caetano Veloso; "Come Fa Um'Onda", com Celia Porto; "Strani Amore", com Laura Pausini; "La Solitudine", com Leila Pinheiro; e "Vento no Litoral", com Cássia Eller. Esta última música é duplamente póstuma, já que Cássia também já havia morrido quando sua voz foi juntada à de Renato Russo. "Quis o destino que o tom de sua gravação de 'Vento no Litoral' (inédita, diga-se) fosse plenamente compatível com o de Renato. O dueto era obrigatório e ficou muito emocionante", afirma Marcelo Fróes, produtor executivo do álbum.

Nas outras faixas, Renato canta com Marisa Monte ("Celeste", uma gravação demo de 1993), Adriana Calcanhotto ("Esquadros", vinda de uma sessão feita para o programa de TV "Por Acaso") e Paulo Ricardo ("A Cruz e a Espada", um dueto feito em 1995), entre outros. "À exceção de 'Vento no Litoral', gravada nas sessões do disco V da Legião Urbana, todas as vozes de Renato nestes duetos inéditos são das sessões dos dois discos solo de Renato - gravados entre 1994 e 1995", explica Fróes. O disco chega às lojas na próxima semana.

Além do álbum Duetos , outra novidade é o livro Como Se Não Houvesse Amanhã . Organizado por Henrique Rodrigues, o volume reúne contos inspirados em músicas da Legião Urbana. O paranaense Miguel Sanches Neto baseou-se em "Meninos e Meninas" e Tatiana Salem Levy inspirou-se em "Tempo Perdido", por exemplo. No total, são vinte autores. "Inicialmente, eu pensava em uns doze ou quatorze contos, mas a ideia foi tão abraçada que ficaram vinte", explica Rodrigues. Segundo ele, o critério de escolha para o livro foi "ser assumidamente fã da banda e ter um bom texto, independente de ser um autor conhecido ou não".

As maneiras de buscar inspiração nas músicas da Legião foram bem diferentes. Rosana Caiado Ferreira, por exemplo, imaginou uma continuação - triste, por sinal - para a história de amor de "Eduardo e Mônica", enquanto Carlos Fialho narrou os acontecimentos de "Faroeste Caboclo" sob uma nova perspectiva. Mas, na maior parte dos casos, a ligação com as canções é tênue. Todos os discos da Legião cederam músicas para o livro. Os campeões foram Dois (1986) e As Quatro Estações (1989), com cinco canções cada um.

Neste sábado, ainda haverá uma homenagem a Renato Russo no programa Altas Horas, da Globo. Dado Villa Lobos e Marcelo Bonfá, seu ex-companheiros de banda na Legião Urbana, vão interpretar canções do grupo junto com alguns convidados especiais. A exibição acontece na madrugada deste sábado para domingo.

Qual é a melhor música da Legião Urbana?

Ainda É Cedo

Eduardo e Mônica

Eu Sei

Faroeste Caboclo

Há Tempos

Índios

Meninos e Meninas

Monte Castelo

Pais e Filhos

Quase Sem Querer

Que País É Esse

Será

Teatro dos Vampiros

Tempo Perdido

Vento no Litoral



A consulta é realizada somente entre internautas e não tem valor de amostragem científica

Assista abaixo ao clipe de "Será":

    Leia tudo sobre: legião urbanarenato russo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG