Acordo Ortográfico

Existem mais de 200 mil palavras nos dicionários de língua portuguesa e nenhuma delas é suficientemente exata para começar a descrever a apresentação do REM nesta segunda-feira em São Paulo. Em um calor infernal e com um som altíssimo, quase ensurdecedor, o trio mostrou um apanhado generoso da carreira com a determinação de novatos e a segurança de veteranos. Esbarrando na perfeição, exercitaram pela primeira vez na cidade a árdua tarefa de ser uma das melhores bandas de rock da história.

Assista a vídeos da apresentação

Veja a galeria de fotos do show

O show começou com cerca de vinte minutos de atraso e foi disparado por Living Well Is The Best Revenge, faixa do novo álbum Accelerate que abriu todas as apresentações da turnê. E logo nos primeiros acordes o Via Funchal se mostrou pequeno demais para a banda ¿ que transbordava em potência, em importância, em magnificência ¿ e se tornou claustrofóbico com o passar do tempo. Na platéia tomada por fãs faltava espaço e ar.

O repertório deixou poucos hits de fora. Teve as oitentistas Fall on Me, It's the End of the World As We Know It e The One I Love, as pesadas Orange Crush e What's the Frequency, Kenneth? e sucessos mais recentes, como Bad Day e Imitation Of Life. A balada Everybody Hurts, uma das mais tristes da música pop, levou a platéia ao delírio e Losing My Religion, a música que trouxe o REM ao mainstream, não foi menos apoteótica. O público cantava a plenos pulmões e nem assim conseguia encobrir o som impressionante da banda no palco.

Michael Stipe falou pouco durante todo o show, deixando a interação por conta de olhares, sorrisos e gestos. Ele dança, pula, rebola, usando o corpo como a batuta do maestro para comandar a plateia. Seu carisma é raro e irresistível. O baixista Mike Mills e o guitarrista Peter Buck também conquistam sem falar muito, deixando o centro do palco para o vocalista performático.

A vitória de Barack Obama nas eleições dos Estados Unidos foi celebrada logo na primeira pausa da noite, enquanto o telão mostrava imagens do presidente eleito. Seu nome foi repetido mais adiante em uma nova homenagem, sempre aplaudido pelo público.

O show correu sem percalços e sem perder a força. Ele foi encerrado no início da terça-feira após quase duas horas com um bis de cinco músicas. A última delas, Man on the Moon, fez a plateia toda pular usando suas últimas energias.

O REM encerra sua passagem pelo Brasil nesta terça-feira com mais uma apresentação em São Paulo. Ainda há ingressos à venda.

Confira o setlist do primeiro show na capital paulista:

"Living Well Is the Best Revenge"
"I Took Your Name"
"What's the Frequency, Kenneth?"
"Fall On Me"
"Drive"
"Man-Sized Wreath"
"Ignoreland"
"Hollow Man"
"Electrolite"
"The Great Beyond"
"Everybody Hurts"
"Imitation Of Life"
"She Just Wants To Be"
"The One I Love"
"Sweetness Follows"
"Let Me In"
"Bad Day"
"Horse To Water"
"Orange Crush"
"It's the End of the World As We Know It (And I Feel Fine)"

"Supernatural Superserious"
"Losing My Religion"
"Animal"
"(Dont Go Back To) Rockville"
"Man On The Moon"

Compre músicas de REM

Leia mais sobre REM

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.