Com “Nosso samba tá na rua”, cantora faz menção à força feminina e levanta seu estandarte em defesa do samba

Capa do novo CD:
Reprodução
Capa do novo CD: "Nosso samba tá na rua"
É inquestionável que o samba perdeu espaço nas duas últimas décadas. No começo dos anos noventa, principalmente, com a força do pagode e, mais tarde, com o movimento funk – ambos oriundos das classes menos favorecidas. Mas o samba é, por natureza, de resistência. É este o espirito do novo CD de Beth Carvalho, “Nosso samba tá na rua”. Após quinze anos só lançando coletâneas de sucessos e DVDs ao Vivo (“por obrigação do mercado”, se defende), Beth volta com tudo.

Leia também: Entrevista exclusiva com a cantora Beth Carvalho

O disco é dedicado a dona Ivone Lara, pioneira no mundo do samba. Segundo Beth, a homenagem serve por “ela ser a mulher que faz os “laraiás” mais bonitos da MPB”. Ivone foi a primeira mulher a fazer parte da ala de compositores de uma escola de samba. “Nosso samba tá na rua” tem um ‘quê’ feminista. Não só pelo samba “Chega” (“Você zombou de mim/ Brincou com meu amor/ Eu já tô cansada de chorar/ Se um novo amor me convidar, eu vou”). Beth passou dois meses com problema de saúde e por pouco não ficou sem andar. Foi buscar força na vontade de cantar. O CD tem um pouco dessa luta e dessa resistência de bravura que tão bem permeiam sua trajetória.

Um dos destaques – também notoriamente feminino - é “Arrasta a sandália”, primeira composição de sua filha Luana Carvalho que é gravada. “Luana já fazia composições, mas é a primeira vez que uma letra sua é gravada. Gostei desse samba, não opinei em nada”, disse Beth em entrevista exclusiva ao iG . “Nosso samba tá na rua” não fica só com um tema, mas também levanta outas bandeiras ou, neste caso, outros estandartes.

Leia também: Beth Carvalho segue renovando e preservando o samba em novo disco

A negritude é cantada de forma explícita em “Samba mestiço”, composição de Ciraninho, nome forte nas disputas de samba na quadra da Portela, com outros parceiros. É verdade que o CD não seria menor se tivesse ficado de fora “Isso Acontece”, que destoa no repertório. Mas vale ressaltar a gravação de “Palavras Malditas”, de Nelson Cavaquinho que, assim como Cartola, foi amadrinhado pela mangueirense.

O encarte traz a foto de Beth rodeada de amigos em um encontro com o tradicional bloco Cacique de Ramos, que será enredo da Estação Primeira de Mangueira no próximo carnaval. Mangueira é, claro, sua escola do coração (com direito a “Verde e Rosa de Paixão”). Amor este que resistiu a desmandos incoerentes da antiga diretoria, que a impediram de desfilar em uma alegoria no carnaval de 2009.

O amor resistiu e persistiu. Não só o amor ao samba, mas a vontade de trazer de volta à luz a referência que serve de prólogo para a nova geração de sambistas de verdade. A cantora é, e ela sabe bem, esta referência. Com Beth Carvalho, o samba está de volta ao seu lugar de direito, com o povo, na rua.

SERVIÇO :
Lançamento do CD “Nosso samba tá na rua”, de Beth Carvalho
26 de novembro, às 22h.
Preços: R$ 70 a R$ 160
HSBC Brasil - Rua Bragança Paulista, 1281. Chácara Santo Antônio. SP

Beth Carvalho em sua casa, no Rio de Janeiro
George Magaraia
Beth Carvalho em sua casa, no Rio de Janeiro

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.