Pubs e mercados de rua de Londres prestam homenagem a Winehouse

Bar que era frequentado pela cantora colocou placa com os dizeres: 'De volta ao luto'

Augusto Gomes, de Londres |

Ao lado de garrafas e latas de cerveja, ramalhetes de flores e bilhetes de despedida. Esse é o cenário da Camden Square, em Londres, a praça em frente à casa de Amy Winehouse . Desde a morte da cantora , na tarde de sábado (dia 23), o local tornou-se uma espécie de centro de peregrinação. Na manhã deste domingo, jornalistas e fãs dividiam o espaço com turistas armados de máquinas fotográficas. No caminho entre a estação de metrô mais próxima e a casa da artista, o trânsito de pessoas com mapas nas mãos era intenso.

Acesse o especial Amy Winehouse

Winehouse cresceu e passou a maior parte da vida em Camden Town. O bairro está localizado no norte de Londres, mas a poucas estações de metrô da região central da cidade. É famoso por sua vida noturna e pelos mercados de rua. Nos dois maiores, Camden Lock e Camden Stables, os alto-falantes tocavam as músicas de cantora sem cessar. Ao caminhar pelos corredores, era possível ouvir as pessoas comentando sua morte. As reações se alternavam entre o choque com a morte de uma pessoa tão jovem (ela tinha 27 anos) e a crença de que essa era uma tragédia anunciada.

Ouça músicas de Amy Winehouse

Para Rawi Meah, de 25 anos, o estilo de vida de Winehouse não justifica a forma como algumas pessoas encaram sua morte. "Ouvi muita gente dizendo que ela procurou essa morte. Não é justo dizer isso", afirma. "Ela sofreu demais por causa das drogas, e também com a perseguição da mídia que seu vício causou. Espero que agora ela finalmente esteja em paz". Rawi foi uma das pessoas que colocou sua homenagem na Camden Square, um cartaz em que se lê a frase "Fuck death. Live forever" (em tradução aproximada, "Dane-se a morte. Viva para sempre").

Veja a trajetória de altos e baixos de Amy Winehouse

Maria Thomson, que depositava flores na praça ao lado da filha, também lamentou a morte da cantora. "É sempre chocante quando alguém morre tão jovem", afirmou. Ela morou durante vários anos em Camden. "Infelizmente, nunca me encontrei com Amy. Mas a fama que ela tinha no bairro era a de ser uma pessoa muito simpática, mas um pouco tímida", lembra. "Todos nós gostávamos muito dela aqui e vamos sentir sua falta", afirmou, com lágrimas nos olhos.

Winehouse costumava frequentar vários locais do bairro. Sua última aparição pública, por exemplo, foi na Roundhouse, casa de shows localizada a meia hora de caminhada de sua casa. Ela fez uma participação especial no show de sua afilhada, Dionne Bromfield, na última quarta.

Seu pub preferido, o The Hawley Arms, também fica na região. Na manhã deste domingo, o local prestou uma homenagem discreta à sua frequentadora mais ilustre: colocou uma placa com os dizeres "Back in Black" (em português, algo como "De volta ao luto") em frente à porta.

No vizinho mercado de Camden Lock, a cantora só estava presente nos alto-falantes. Um dia após sua morte, camisetas e pôsteres com sua imagem já eram impossíveis de encontrar. "Muita gente veio procurar, mas não temos nada", disse o vendedor de uma loja de roupas.

Acesse o especial Amy Winehouse

    Leia tudo sobre: Amy Winehouse

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG