Plebe Rude empolga no Lollapalooza com lembranças do rock de Brasília

Liderada por Phillipe Seabra e Clemente, banda abriu palco principal neste domingo

Marco Tomazzoni, iG São Paulo |

Dos escombros da era de ouro do rock de Brasília (como mostra o documentário recente de Vladimir Carvalho ), a Plebe Rude é uma das únicas bandas que se mantém na ativa com um pouquinho de dignidade. Abrindo a programação do palco principal do Lollapalooza Brasil, neste domingo (08), o grupo até tentou mostrar novidades, mas só se mostrou relevante ao tirar o pó das músicas de protesto de seu auge, lá da década de 1980.

VEJA IMAGENS DO SEGUNDO DIA DO LOLLAPALOOZA BRASIL

Quando um punhado de curiosos ainda começava a se posicionar (a área do Jockey Club de São Paulo permanece esvaziada), o quarteto apareceu ao som de uma gaita de fole para tocar "O que se faz", do álbum "R ao Contrário" (2006). Foi um tiquinho animado, mas a partir de "Censura", na sequência, que o público começou a pular.

Divulgação
Clemente, da Plebe Rude, na tarde de domingo no Lollapalooza Brasil
Animado, o guitarrista Phillipe Seabra (que divide os vocais com Clemente) não saía da pista que avançava sobre a plateia, castigada por um sol forte. "Brasília", cujos versos dão nome ao disco de estreia da banda, o histórico "O Concreto Já Rachou" (86), compensou a dedicação de quem aguentava o calor.

Siga o iG Cultura no Twitter

"Minha Renda", do mesmo álbum, veio depois, auxilada por um sample de quando a Plebe se apresentou no Programa do Chacrinha.

Divulgação
Blubell no Lollapalooza: sensualidade
No miolo, o show perde o pique porque, bem, as canções novas do grupo não têm personalidade nesse rock contemporâneo que atira para todos os lados. E Seabra deveria pensar seriamente em seguir só tocando, e não cantando.

Ainda bem que no final vieram enfileirados um punhado de hits: "Johnny Vai à Guerra", "Proteção", "Pânico em SP" (dos Inocentes, ex-banda de Clemente, talvez a mais aplaudida do show) e "Até Quando Esperar".

Leia também: Foo Fighters enfileira 2h30 de hits no Lollapalooza; relembre o primeiro dia

Um pouco antes, ao meio-dia e meia, Blubell parecia à vontade no palco alternativo. A voz pequena da cantora e o clima jazzístico de suas músicas, mais afeitos à noite, incrivelmente funcionaram com o sol alto. Usando uma espécie de maiô e abusando dos trejeitos, ela conquistou o público que mal havia entrado no Jockey.

Verdade que Blubell até precisou cantar deitada, durante performance dramática de "La Vie En Chose", para chamar a atenção. Mas a combinação de sensualidade, charme, saxofone e baixo acústico deu certo. A deliciosa "Chalala", "Mão e Luva" e "Good Hearted Woman", todas do disco "Eu Sou do Tempo em que a Gente se Telefonava", foram algumas que apareceram no show de menos de 30 minutos. Se durasse mais, ninguém ia reclamar.

    Leia tudo sobre: plebe rubelollapalooza

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG