Pery Ribeiro morre aos 74 anos no Rio de Janeiro

Uma das principais vozes da bossa nova, cantor foi vítima de infarto

iG São Paulo |

AE
Pery Ribeiro na década de 1980
O cantor e compositor Pery Ribeiro morreu no final da manhã desta sexta-feira (24) no Rio de Janeiro, aos 74 anos, vítima de infarto agudo do miocárdio.

“Foi uma coisa totalmente inesperada porque o Pery estava internado há 30 dias para tratar uma endocardite [infecção na membrana das válvulas cardíacas] e já ia ter alta na semana que vem”, disse ao iG Ana Duarte, mulher e empresária de Pery Ribeiro.

Segundo ela, o velório será na Câmara Municipal do Rio de Janeiro. O local do enterro ainda não foi definido.

Siga o iG Cultura no Twitter

Filho de Dalva de Oliveira e Herivelto Martins, astros da era do rádio, Pery lançou seus primeiros discos na década de 1960, quando se tornou conhecido por dar voz a canções da bossa nova – foi o primeiro, inclusive, a gravar "Garota de Ipanema", em 1963.

Aprende letras e ouça sucessos de Pery Ribeiro no Vagalume

Sua estreia na vida artística, no entanto, foi aos três anos de idade, quando participou da dublagem em português de produções de Walt Disney. Nascido Peri de Oliveira Martins, assumiu o nome artístico de Pery Ribeiro em 1959, por sugestão do radialista César de Alencar.

No ano seguinte, sua mãe, Dalva de Oliveira, gravou uma composição sua, "Não Devo Insistir". Neste mesmo ano, Pery lançou estreou em disco com um compacto duplo e, em 1961, alcançou seu primeiro sucesso, com um 78 rotações que incluía "Manhã de Carnaval" e "Samba de Orfeu".

AE
Pery ao lado do pai, Herivelto Martins, em 1980
Seu primeiro LP, "Pery Ribeiro e Seu Mundo de Canções Românticas", saiu em 1962. Sua voz elegante e suave se provou perfeita para a nascente bossa nova, e o resultado foi um de seus maiores sucessos, o disco "Pery É Bossa". No repertório, estava a primeira gravação de "Garota de Ipanema".

Em 1965, teve um novo sucesso com o show "Gemini V", ao lado de Leny Andrade e do grupo Bossa 3. O espetáculo gerou uma série de discos e deu largada à carreira internacional de Pery. O cantor fez uma temporada no México em 1966 e, no seguinte, mudou-se para os Estados Unidos e cantou com Sergio Mendes.

Voltou ao Brasil no início dos anos 1970. Nesta década, lançou trabalhos mais variados, com composições de nomes como Ivan Lins ("Agora"), Raul Seixas ("A Maçã"), Gonzaguinha ("Gás Neon") e João Bosco ("Amigos Novos e Antigos"). A partir dos anos 1980, voltou a se dedicar à bossa nova.

Em 2006, publicou o livro "Minhas Duas Estrelas: Uma Vida com Meus Pais". Escrito em parceria com sua mulher, Ana Duarte, o livro trata da relação conturbada de Dalva e Herivelto. No início de 2010, foi interpretado por Thiago Fragoso na minissérie "Dalva e Herivelto".

No total, lançou 12 álbuns dedicados à bossa nova. Seu último trabalho lançado foi o disco "Cores da minha bossa", de 2006.

    Leia tudo sobre: pery ribeiromúsica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG