Pela primeira vez, Maria Rita canta Elis Regina e se emociona

Nesta segunda-feira (20), show "Viva Elis" deu início a uma série de eventos em homenagem aos 30 anos da morte da cantora

Luisa Girão, iG Rio de Janeiro |

Da semelhança do timbre à lembrança da maneira de interpretar. Desde que se lançou como cantora, Maria Rita teve de lidar com as inúmeras comparações com a mãe, Elis Regina (1945-1982). Uma responsabilidade imensa já que esta é considerada uma das maiores intérpretes brasileiras.

Aos 24 anos, quando estava lançando o seu primeiro CD, Maria Rita disse que sempre teve a consciência de ser a única filha mulher de uma grande cantora. Por isso não tinha pretensões de cantar músicas do repertório da mãe.

Quer saber quando seu artista favorito vai se apresentar? Acesse a ferramenta de shows do iG

Alex Palarea e Roberto Filho/Ag News
Maria Rita falou da saudade que sente da mãe: "toda vez que falo nela, me emociono"


Dez anos depois, as comparações não se extinguiram. Mas Maria Rita aceitou o desafio e subiu, nessa segunda-feira (19), no palco do Vivo Rio, no Rio de Janeiro, para o primeiro de uma série de shows cantando músicas gravadas por Elis. “As pessoas sempre me perguntam por que demorei tanto para cantar músicas da minha mãe. Toda vez que falo nela, me emociono. Mãe é mãe, né? Dá saudade”, disse ela, vestindo um macacão branco com uma capa esvoaçante.

Siga o iG Cultura no Twitter

Em duas horas de apresentação, Maria Rita mostrou que as comparações tinham fundamento. Em nenhum momento ela tentou se passar pela mãe, mas era visível a homenagem aos gestuais, timbres e firulas de Elis. Em canções como “Águas de Março”, de Tom Jobim, e “Alô Alô Marciano”, de Rita Lee, isso ficou mais evidente. “Obrigada por virem de coração aberto e entender que isso é apenas uma homenagem”, agradeceu a cantora.

AgNews
"Tenho a impressão que seríamos grandes amigas", disse a cantora sobre Elis
E ela não se fez de rogada. Logo no início da apresentação, Maria Rita cantou músicas consagradas pela voz de Elis como “Arrastão”, de Vinicius de Moraes e Edu Lobo, e “Como nossos pais”, de Belchior. Outros compositores também foram homenageados. Chico Buarque foi lembrado em “Tatuagem” e, um bloco inteiro do show foi dedicado a Milton Nascimento. “Morro Velho”, “O que foi feito” e “Maria Maria” foram interpretadas pela primeira vez por Maria Rita.

De filha para mãe

As lágrimas de emoção, já eram esperadas. Tanto que virou até brincadeira entre os músicos nos bastidores. “Fizemos um bolão para ver quando eu ia chorar. Eu já perdi porque pensei que seria na primeira música. Vamos ver até onde consigo durar”, brincou ela.

Foi só na metade do show, ao interpretar “Se eu quiser falar com Deus” que Maria Rita teve de prender o choro. “Quando eu escuto essa música, fico imaginando como seriam as minhas conversas com a minha mãe. Que tipo de lição ela me daria ou que tipo de bronca. Tenho a impressão que seríamos grandes amigas”, falou Maria Rita, que perdeu a mãe aos quatro anos.

As quase 30 músicas do repertório respeitam os arranjos originais. No entanto, apresentam uma pegada mais moderna. O público, formada por convidados e celebridades, foi o único ponto negativo da noite. Em um espetáculo onde a carga emocional era grande, a plateia respondia de forma fria. Maria Rita teve de pedir algumas vezes para ser acompanhada por coros e palmas.

Quer saber quando seu artista favorito vai se apresentar? Acesse a ferramenta de shows do iG

O que não deve acontecer nas próximas apresentações do show “Viva Elis”, já que será um evento gratuito e em locais públicos. A turnê passará por Porto Alegre (24/03); Recife (01/04), Belo Horizonte (08/04), São Paulo (22/04) e Rio de Janeiro (29/04). O projeto em homenagem aos 30 anos da morte de Elis, ainda conta com uma exposição itinerante e uma biografia organizada pelo jornalista Júlio Maria, que será lançada no segundo semestre.

Confira abaixo o setlist completo:

1. Imagem/Arrastão
2. Como nossos pais
3. Vida de Bailarina
4. Bolero de Satã
5. Águas de Março
6. Saudosa Maloca/ Agora tá
7. Ladeira da preguiça
8. Vou deitar e rolar
9. Querelas do Brasil
10. O Bêbado e a Equilibrista
11. Menino/ Onze Fitas
12. Me deixas louca
13. Tatuagem
14. Essa Mulher
15. Se eu quiser falar com Deus
16. Zazueira
17. Alô Alô Marciano
18. Aprendendo a jogar
19. Doce de Pimenta
20. Morro Velho
21. O que foi feito/ Maria Maria
- Bis -
22. Fascinação
23. Madalena
24. Redescobrir

    Leia tudo sobre: maria ritaelis reginaviva elis

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG