Peça teatral põe Chico Buarque e Noel Rosa em um bar

Espetáculo estreia curta temporada nesta quarta no Centro Cultural São Paulo

AE |

Divulgação
Cena do musical "Chico Rosa"
O compositor Noel Rosa, o Poeta da Vila, será protagonista de um embate musical - no plano do fantástico -, ao lado de Chico Buarque, na peça "Chico Rosa", que entra nesta quarta em curta temporada no Centro Cultural São Paulo (CCSP). O compositor, morto há mais de 70 anos, se encontra com o Chico em plena ativa, no auge de seus 66 anos, num lugar que não poderia ser mais apropriado para dois cariocas boêmios como eles: uma mesa de botequim.

É nessa mesa, posicionada no meio do palco, que Noel e Chico conversam. Os argumentos? Suas canções, travadas ao violão. "Acho que existe um diálogo entre eles na temática da malandragem, da boemia", diz o ator Daniel Maia, que interpreta Chico Buarque. "Além de mais de 40 músicas, a peça tem um texto bacana que costura toda essa história. É um pouco da biografia deles".

Além da declarada proximidade com a obra de Noel Rosa, Chico Buarque, como figura contemporânea, ajuda a puxar pela memória o antigo compositor. Noel fala da vida de malandro, de que quase foi preso. Chico conta, então, que ele próprio fora preso ainda pivete, tentando furtar um carro, para sair e curtir na madrugada.

Tudo é pretexto para o embate. Chico diz que gostaria de ter composto "Filosofia", de Noel (parceria com André Filho). E este, por sua vez, retribui afirmando que queria ter escrito "A Rosa", de Chico. E, claro, as interpretam. "O texto usa dados biográficos, mas traz algumas liberdades, como Chico dizendo um termo atual que Noel não reconhece", descreve Daniel.

As diferenças de época também são caracterizadas na maneira de se vestir de cada um: Noel, como o típico boêmio, de terno branco e sapato lustroso; Chico, como o boêmio atualizado, que veste roupas mais informais.

Nesse diálogo surreal, cabem outras tantas canções, como "A Televisão" (Chico Buarque), "Coração" (Noel Rosa), "A Carta" (João Nogueira e Noel Rosa), "O Que é Que Você Fazia" (Noel Rosa e Hervê Cordovil); "O Pivete" (Francis Hime e Chico Buarque); "Homenagem ao Malandro" (Chico Buarque); e "Vai Trabalhar" (Chico Buarque).

"Esse encontro é uma desculpa para cantarmos músicas dos dois", afirma o ator e músico Luiz Rocha, que interpreta Noel desde a primeira montagem de "Chico Rosa", há 7 anos. Segundo ele, certas músicas surpreendem as pessoas na plateia, pois elas já as conheciam, mas não sabiam que eram de Noel. "Na peça, Noel sabe o tempo todo que está morto. Mas, como ele diz, nada impede uma boa conversa no bar", diz Luiz.

Chico Rosa - Dias 01, 08 e 15, às 21h. Centro Cultural São Paulo (Rua Vergueiro, 1.000, Paraíso). Tel. (011) 3397-4002. R$ 20.

    Leia tudo sobre: Chico BuarqueNoel Rosa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG