País africano acusa Madonna de oportunismo

Para o governo de Malaui, cantora estaria interessada em autopromoção ao anunciar a construção de escolas na região

Reuters |

Getty Images
Madonna na chegada do Globo de Ouro 2012
O governo do Malaui acusou na terça-feira a cantora Madonna de agir de forma oportunista ao anunciar a intenção de construir dez escolas no país africano, onde ela já adotou duas crianças. De acordo com as autoridades, a artista norte-americana parece mais interessada em promover sua imagem do que em ajudar a educação local.

Siga o iG Cultura no Twitter

Lindiwe Chide, porta-voz do Ministério da Educação do país, disse que a cantora já havia irritado o governo no ano passado ao desistir, sem informar as autoridades, de construir uma escola para meninas, devido a problemas de má gestão e excesso de custos.

Em janeiro, Madonna anunciou uma parceira com a ONG buildOn para construir dez escolas para pelo menos mil alunos por ano. Segundo Chide, o governo novamente não foi informado, e por isso já está "farto" da cantora.

"Sentimos que isso tem a ver com impulsionar a imagem global dela, e não com os nossos interesses", acrescentou a porta-voz. "Ela não tem um mandato para decidir onde quer construir uma escola, porque ela não sabe das nossas necessidades ou onde queremos novas escolas (...), ela antes precisava nos consultar, obter permissão nossa para fazer qualquer coisa."

Leia também: Sucesso na música, Madonna é um fracasso no cinema

Mas o chefe da organização levado por Madonna para ajudar nos esforços no Malaui rebateu as críticas dizendo que elas "simplesmente não são verdadeiras" e que o governo tem sido "atualizado" sobre os planos da cantora.

O Malaui tem mais de 500 mil crianças órfãs da Aids, e é apontado pela ONU como um dos 20 países menos desenvolvidos do mundo.

    Leia tudo sobre: madonnamalaui

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG