Os maiores micos musicais de 2008

Micos de 2008: Chinese Democracy nas lojas, ingressos para Madonna e a volta da Bossa Nova

Redação iG Música |

Acordo Ortográfico

O ano de 2008 foi repleto de lançamentos, festivais e novidades no universo musical, mas como não poderia deixar de ser, foi também um ano recheado de micos. E para o seu deleite compilamos sete micos inesquecíveis protagonizados por artistas, fãs e também pela própria mídia.

Show de mentira no VMB

Quando a banda indie Bloc Party foi anunciada como atração internacional do Video Music Brasil 2008 muitos comemoraram, crentes de que a festa contaria ao menos com um show de "rock honesto e visceral". Mas o que aconteceu no palco do evento foi bem diferente do esperado.

O grupo inglês apareceu e logo nos primeiros minutos a platéia percebeu que havia alguma coisa estranha com o show. Estava tudo muito perfeitinho, muito parecido com o álbum da banda, mas havia um motivo para tanto: o show estava dublado!

Não demorou muito para o público vaiar a banda, que saiu do palco desmoralizada em rede nacional. Vergonhoso.

Cancelado, está tudo cancelado!

2008 pode ser considerado o ano dos cancelamentos. Entre as bandas que ameaçaram aparecer pelo Brasil estão Nine Inch Nails, The Gossip, Paul Weller e Stone Temple Pilots.

As desculpas não fogem muito a regra: problemas de logística, músicos gripados ou em clínicas de reabilitação, dificuldades em conseguir o visto e por aí vai. Agora sobre baixa venda de ingressos e artistas pouco empolgados em vir ao Brasil ninguém falou.

Azar dos fãs, que se mobilizam, fazem listas, compram ingressos antecipados e acabam sem ver seus ídolos.

A festa mais chata da música brasileira

Demorou, é verdade, mas a Bossa Nova completou 50 anos e alguém teve a infeliz ideia de montar um revival do estilo musical que ficou pelo menos uns 40 anos na mais completa inércia.

E não faltaram discos relançados, shows lotados e banquinhos e violões espalhados em todos os cantos da mídia. Durante um mês tudo era Bossa Nova, com direito a filme no cinema e dezenas de exposições.

A Bossa já era chata meio século atrás, mas levar o assunto à tona parece até um tabu, como falar de sexo anal no jantar de Natal com seus avós. Ao menos a próxima festa será só em 2058. Menos mal...

E o disco finalmente saiu

A saga de Axl Rose, último baluarte da banda Guns n' Roses, acabou nesse ano de 2008 com o lançamento do mítico álbum Chinese Democracy . Fãs aguardavam ansiosamente por esse momento desde a década de 90, e... decepção.

O novo disco do Guns mais parece um projeto solo alternativo de Axl Rose do que o álbum daquela que já foi a maior banda de rock do mundo. Mas não há motivo para se preocupar. O dono da marca Guns n' Roses já deve estar planejando o sucessor de Chinese Democracy . É esperar (sentado) e conferir.

De boybander a ícone do rock

Após a dissolução da dupla pop Sandy & Junior, o músico Junior Lima juntou-se ao ex-baixista da banda Charlie Brown Jr e montou o seu próprio rupo de rock, batizado de Nove Mil Anjos.

E para mostrar que não estava de brincadeira o vocalista do hit "Enrosca" mudou o corte de cabelo para um "nervosíssimo" moicano, abandonando de vez a imagem de bom moço lapidada por anos.

É como se de repente Xuxa resolvesse montar uma banda de death metal ou o Sepultura gravasse um disco de baladas românticas. É, vai ser difícil de engolir.

Deus salve a rainha!


A maior novela musical de 2008 foi (ou está sendo?) a vinda da cantora Madonna ao Brasil. O que começou com duas apresentações se transformou em cinco shows disputadíssimos, com direito a queda de websites e até briga entre fãs e cambistas por um mísero ingresso.

Os preço dos ingressos, aliás, são um show à parte. Para conseguir ver a pop star de uma distância aceitável cada um deverá pagar a bagatela de R$ 600 reais(!). Já pensou no que dá para fazer com essa grana?

Quem não desembolsou essa quantia acabou pagando R$ 180 para ver a estrela num telão, mais ou menos como se estivesse vendo o show de casa. Francamente...

O que diabos aconteceu ali?

Durante o show que o grupo de rock Nightwish fez em Belo Horizonte a nova vocalista, Anette Olzon, abandonou o palco durante a sétima música para nunca mais voltar. A banda bem que tentou arrastar algumas músicas sem a moça, mas não adiantou.

Antes da súbita escapada a cantora limitou-se a um breve "I´m sorry" (sinto muito) e nada mais. O público, na dúvida, teve de se contentar com os pedidos de desculpas dos outros integrantes, e uma posterior declaração colocando no sumiço da voz a culpa pelo incidente. Que não deixa de ser um mico.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG