Ópera de Vivaldi perdida há 284 anos volta a ser representada

Sem partituras originais, "La Unione della Pace e di Marte" foi reconstruída a partir de librettos e de árias do compositor

BBC Brasil |

selo

Divulgação
O compositor italiano Vivaldi
Uma ópera de Vivaldi que ficou anos perdida e que foi representada apenas uma vez, há 284 anos, ganhou uma nova apresentação na noite desta segunda-feira (04), em Praga, após ter sido reconstruída por um especialista tcheco. O italiano Antonio Vivaldi (1678-1741) produziu a obra, chamada "La Unione della Pace e di Marte", para comemorar o nascimento das filhas gêmeas do rei francês Luís 15, em 1727.

Tecnicamente chamada de serenata, a obra foi representada apenas uma vez antes de a maioria de suas partituras ter sido perdida, com exceção de seus librettos (que contêm os diálogos e a história da peça), já que estes haviam sido distribuídos ao público.

Como muitos dos compositores de sua época, Vivaldi frequentemente reaproveitava árias para serem usadas em diferentes óperas. A partir dessa constatação e de seu conhecimento da obra de Vivaldi, o músico tcheco Ondrej Macek reconstruiu "La Unione della Pace e di Marte", que foi apresentada na abertura de um festival de música na capital da República Tcheca. Macek disse à agência France Presse que, lendo o libretto, percebeu que muitas das melodias da ópera já eram conhecidas.

À BBC, Macek declarou que a reconstrução da ópera foi uma grande aventura e que existem muitas outras obras de Vivaldi "esperando para serem redescobertas", já que há muitos librettos do compositor guardados em arquivos, à espera de mais estudos sobre eles. Em 2008, Macek já havia reconstruído outra obra de Vivaldi, Argippo, que havia sido lançada em 1730 e ficado 278 sem ser tocada ao público.

    Leia tudo sobre: vivaldiópera

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG