Obra de Chico Science ocupa o Itaú Cultural, em São Paulo

Exposição entra em cartaz nesta quinta-feira e vai até abril

Augusto Gomes, iG São Paulo |

Divulgação
Réplica do famoso Landau de Chico Science
Chico Science vai ocupar o Itaú Cultural, em São Paulo. A partir desta quinta-feira, o músico pernambucano, morto em 1997 num acidente automobilístico, será o tema de mais uma mostra da série Ocupação. Além da música de Chico, a mostra reune cartazes, capas de discos, fotos, filmes, roupas e toda série de ícones manguebeatianos. Até uma réplica do Landau que era marca registrada do músico está presente.

É a primeira vez que uma Ocupação é dedicada a um músico. Em edições anteriores, no ano passado, artistas como o diretor teatral José Celso Martinez Correa e o poeta Paulo Leminski foram tema de mostras. "Vínhamos conversando sobre inúmeras possibilidades de nomes", explica Edson Natale, gerente do Núcleo de Música do Itaú Cultural. "Mas naturalmente nos apaixonamos pelo Chico".

A curadoria da mostra é coletiva. Inclui, além da própria equipe do Itaú Cultural, a dupla Dolores & Morales, a irmã de Chico Science, Goretti França, e sua filha, Louise. Foi a participação da família do cantor que possibilitou a presença de inúmeros objetos pessoais na exposição, que entra em cartaz apenas dois dias após o aniversário de 13 anos da morte do músico, ocorrida em 02 de fevereiro de 1997.

Divulgação
Chico Science, em foto de 1993
A exposição é uma ótima oportunidade para conhecer a obra de Chico. Junto com a Nação Zumbi, ele lançou apenas dois discos, Da Lama ao Caos (1994) e Afrociberdelia (1996) - há um terceiro álbum póstumo, CSNZ (1998), que reúne remixes e material inédito. A carreira curta não impediu que ele transformasse a música nacional, ao mostrar que era possível misturar as raízes brasileiras com influências de todo o planeta.

"Ele morreu muito novo. Em termos de processo histórico, ainda não tinha havido um mergulho tanto na obra quanto no significado do mangue beat", acredita Natale. Entre as atrações da mostra, ele destaca uma série de vídeos caseiros. "São imagens até meio toscas dos primeiros shows e festas. Mas tomar contato com esse material foi muito prazeroso e emocionante".

Entre os diversos objetos pessoais de Chico expostos, estão os cadernos em que ele escrevia suas canções. "Neles, é possível ver como ele pensava pra estruturar um arranjo, por exemplo. Dá para ver como ele montava a coisa na cabeça", explica Natale. Outro destaque é a reprodução do Manifesto Mangue, assinado por Science em parceria com Fred Zero Quatro, do Mundo Livre S/A, e Renato L, atual secretário municipal da Cultura de Recife.

Tudo isso estará no térreo do Itaú Cultural, até o dia 04 de abril, sempre com entrada gratuita. O percurso pela mostra é feito sobre um circuito eletrônico, como se fossem placas de computador. No centro do espaço, estão os objetos pessoais do cantor. Para vê-los, é preciso atravessar uma cortina que simula uma peruca de maracatu.

O público pode interagir com as obras em diversos momentos. Por exemplo, criando poesias a partir de palavras icônicas da obra de Chico Science numa área repleta de ímãs de geladeira, ou então tirando fotos com reproduções de seus famosos óculos e chapéus. A mostra ainda poderá ser vista no site http://www.itaucultural.org.br/ocupação .

Serviço

Ocupação Chico Science
Itaú Cultural (Avenida Paulista, 149, Bela Vista)
De 4 de fevereiro a 4 de abril
De terça a sexta, das 9h às 20h
Sábados, domingos e feriados, das 11h às 20h
Entrada franca

    Leia tudo sobre: chico science

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG