Nova geração de argentinos desponta tocando ritmos brasileiros

Grupos como A Saideira e Mão na Roda fazem sucesso tocando choros e musica "não comercial"

BBC Brasil |

Divulgação
A Saideira
Uma nova geração de músicos argentinos tem despontado na mídia local tocando e cantando choros, frevo, samba de raiz, maxixe e outros ritmos brasileiros. Eles são músicos profissionais, que estudaram nos conservatórios locais e formaram bandas como A Saidera, Mistura e Manda, Mão na Roda e Malandragem.

Se antes eles tocavam apenas em lugares pequenos e afastados de Buenos Aires, agora se apresentam nos principais teatros da capital, como o Alvear, e participam de festivais, como o que acontece nos próximos dias na província de Mendoza.

Siga o iG Cultura no Twitter

O saxofonista Emiliano Álvarez, de 35 anos, disse à BBC Brasil que é claro o novo interesse pela música "não comercial" brasileira. "O axé, por exemplo, sempre faz sucesso por ser mais comercial. Mas agora percebo interesse crescente aqui por outros estilos que não são tão conhecidos do grande público, como o choro", disse.

Álvarez é um dos fundadores da orquestra A Saidera, fundada há cerca de dois anos. "Samba, baião e choros são os estilos musicais da nossa orquestra”, contou. Ele disse ainda que gosta tanto de Pixinguinha, Ari Barroso e Cartola que pode ouvi-los "sem parar".

O músico conta que foi num conservatório de Buenos Aires, onde entrou aos 13 anos, que conheceu os colegas com os quais integra a banda, que tem 18 integrantes. "Foi um começo lento, mas conseguimos arranjos de músicos do Hermeto Pascoal, compramos outros e fomos aprendendo desenvolvendo o estilo juntos."

FÉRIAS NO BRASIL

Ele afirmou que passou a se interessar pela música brasileira a partir de shows na capital argentina de músicos como Egberto Gismonti e que a sua lista de referências musicais inclui Ney Matogrosso, Marisa Monte, Chico Buarque, Toninho Horta e Djavan. "Somente há pouco tempo viajei de férias para o Brasil. Viajo mais para estudar a música brasileira do que de férias", disse.

Divulgação
Mão na Roda
Álvarez conta que ele e outros colegas de banda fizeram cursos e workshops em Curitiba com músicos e professores locais, e que A Saideira é inspirada na Orquestra À Base de Sopros, conhecida banda da capital paranaense.

Já Sebastián Luna, deficiente visual, toca cavaquinho na banda Mão na Roda, que lançou no ano passado um CD de choros, com a participação do arranjador brasileiro Rogério Souza.

E por que o nome "Mão na Roda"? "Porque significa uma forma de ajudar e porque a palavra roda também está ligada à roda de samba", conta o músico Sebastián Pérez, de 30 anos, toca violão, é arranjador e compositor do grupo. "Não temos nada parecido com essa expressão em espanhol."

AMOR À PRIMEIRA VISTA

A banda é formada por quatro músicos, que tocam pandeiro, violão de sete cordas, flauta, cavaquinho e bandolim. "Nos conhecemos num conservatório de música e tínhamos interesse pela música brasileira. Mas conhecíamos, principalmente, a bossa nova e não o choro. Quando conheci os choros de Pernambuco, achei que era o caminho. Foi amor à primeira vista", disse Pérez.

Eles também viajaram para os cursos de música em Curitiba. "Meus pais ouviam João Gilberto e desde adolescente me interesso pela música brasileira. Mas o choro agora nos abre muitas portas. Estamos compondo choros e frevos e transformamos um tango, "El Choclo", em maxixe."

O também músico Gabriel Trucco, do grupo Mistura e Manda disse que os atraiu a "linguagem riquíssima" de músicas de Pixinguinha, Jacob do Bandolim e de Paulinho da Viola. "Sempre ouvimos muita MPB na Argentina. Mas quando ouvimos estes músicos vimos que podíamos explorar, aprender e crescer".

O Mistura e Manda tem sete anos e o nome, contou Trucco, é o título de um choro do compositor Nelson Alves. "No início deste ano lançamos o CD Choro Vivo, que inclui choros tradicionais e contemporâneos", disse.

    Leia tudo sobre: músicaargentina

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG